Invista no combo: Camiseta, jeans, jaqueta de couro, blusa tons neutros e blazer. (Créditos da foto: Divulgação/ Folha do Mate)

Antes de correr até o shopping para fazer umas ‘comprinhas’, é preciso avaliar se a peça que você imagina já não está diante dos seus próprios olhos, escondida em um ‘cantinho secreto’ do seu guarda-roupa. Prepare-se, chegou a hora de mudar conceitos e revolucionar a forma de como se consome moda.

O armário inteligente, nada mais é que um armário ajustado ao seu estilo pessoal e de vida. Não se baseia somente em tendências, mas sim, peças de acordo com a sua personalidade e necessidades.

De acordo com a designer de moda, Luana Sehn, o armário cápsula pode ser dividido por estações do ano e um número limitado de peças. “Não há uma regra quanto a quantidade, mas o ideal é pensar em peças que combinem entre si, que sejam essenciais, atemporais e versáteis porém dentro do seu estilo. Que possam ser usadas em diversas combinações e ocasiões”, afirma. Luana indica às pessoas para dar preferência às peças que já fazem parte do dia a dia. “Dê preferência por modelos cores e estampas que caem bem para o seu tipo físico. Assim torna-se mais prático adequar a sua rotina, e fazer combinações”, orienta.

Além de ser um conceito de consumo consciente, a proposta tem tudo a ver com um estilo de vida mais sustentável. Para Luana, esta também é uma forma de mudar hábitos e se adequar, para consumir somente o aquilo que certamente irá utilizar. “A ideia é simples, consumir menos e melhor. Ativar a criatividade e autenticidade. Assim você nunca mais sentirá frustração por não ter o que vestir, enquanto o armário está cada vez mais abarrotado”, sugere.

COMO SURGIU

O termo foi criado na década de 1970 por uma comerciante de roupas, a inglesa Susie Faux, onde notou que algumas mulheres tinham dificuldades em escolher suas peças, o que acabava gerando muita insegurança na hora de se vestir. A ideia de montar um guarda-roupa minimalista surgiu como uma forma de ajudar essas mulheres a encontrar seu estilo e como consequência ter mais autoconfiança. Para Susie, uma coleção com peças de cores e modelagens atemporais, aliadas a itens próprios da estação do ano, seria suficiente para a mulher estar bem vestida. Mais tarde, em 1985 a ideia foi reforçada pela também estilista Donna Karan, desde então o conceito segue em crescimento.

Veja abaixo quais são as dicas da designer de moda para não errar no look e se vestir com criatividade e estilo. E o melhor de tudo, sem gastar muito.

  • Escolha peças curinga

Camiseta, blusa e camisa em tons neutros, camisa jeans, blusa listrada, blazer, jaqueta de couro, vestido preto, calças jeans e calça de alfaiataria são peças essenciais.

  • Selecione peças do seu estilo

É essencial ter seu estilo predominante, analisando as peças que mais se identifica, aquelas ‘favoritas’ e que já está acostumada a usar em seu dia a dia.

  • Combine e misture suas peças

Tenha em mente um princípio: uma peça é igual a vários looks.

Blusa, jeans, blazer, camiseta, alfaiataria e vestido preto.(Créditos da foto: Divulgação/ Folha do Mate)
Blusa ou camisa listrada e jeans. (Créditos da foto: Divulgação/ Folha do Mate)
Camisa branca, jeans e blazer alfaiataria. (Créditos da foto: Divulgação/ Folha do Mate)

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome