Futevôlei: o esporte que vem movimentando Venâncio Aires

-

É verão. Período de praia, areia e mar. Quem nunca jogou um futebol na beira-mar, uma altinha ou até mesmo um futevôlei com os amigos? Falando em futevôlei, essa é uma modalidade que vem crescendo significativamente e um esporte que combina com a atual estação. Para falar um pouco mais dessa modalidade, conhecemos algumas pessoas de Venâncio Aires que têm levado o nome do município em competições do Rio Grande do Sul. Os jovens vêm tendo um bom rendimento no Circuito Gaúcho de Futevôlei, realizado uma vez ao mês, em um município diferente a cada etapa.
Neste fim de semana, na praia de Capão da Canoa, litoral Norte, ocorre mais uma das etapas do Circuito. Matheus Konzen, Tiago Rosa, João Neto e Jennifer Soares estão em quadra levando o nome da Capital do Chimarrão, nas categorias masculino e misto. Questionados sobre a não participação das meninas no feminino, Matheus conta que é uma categoria em que não há classificação, pois tem baixa procura. O professor acrescenta que disputam meninas que jogam há mais de 3 anos, o que deixa as demais um pouco receosas, mas garante que a participação no misto já vem agregando muito.

PAIXÃO

Durante a conversa foi nítido o amor que todos eles têm pela prática. Cada um, em sua particularidade, agregou dizendo que é um esporte libertador, e que, quando estão disputando, o clima é de amizade, adversários se ajudam e querem conhecer um pouco mais sobre os competidores. No entanto, eles afirmam que é um esporte desgastante e que exige muito fisicamente. Por isso, é preciso estar com bom condicionamento físico, pois o cansaço e a exaustão são grandes.

Conheça um pouco sobre eles:

Jennifer Soares

20 anos, estudante. Iniciará bacharel em Educação Física nos próximos meses, pois, segundo ela, encontrou uma paixão para vida toda: o futevôlei. Jennifer começou no esporte muito nova, e participava de competições escolares no vôlei e futebol. Unindo o útil ao agradável, recentemente ela encontrou uma modalidade que une os dois. Há cinco meses, a jovem frequenta os treinos na B&M todos os dias, se preparando para as competições do Circuito e torneios regionais.

Jennifer Soares (Créditos: Divulgação)

Em sua primeira participação na competição estadual, jogando na categoria Misto, ela e sua dupla alcançaram o 4º lugar. Já no torneio realizado dentro da academia de treino, ela e Tiago Dresch, levaram o 1º lugar.
Com os olhos brilhando, a jovem afirmou que quer ser reconhecida nessa modalidade, pois é algo que a fez ficar encantada. Ela comenta que, às vezes, frequenta os treinos duas vezes ao dia, por gostar tanto do que está fazendo.

Vanessa Brandão

36 anos, trabalha com E-commerce. Passou a praticar o futevôlei por convite de pessoas que já estavam jogando, e há cinco meses, ingressou na modalidade. Ela acrescenta que sempre esteve envolvida com o esporte, pratica musculação, faz dieta e jogou campeonatos de futebol feminino antes. No momento, ela pretende voltar a competir, e ressalta que irá se dedicar muito para chegar bem nos campeonatos. Vanessa treina todos os dias. Ela foi dupla na categoria Mista, do Circuito, ao lado de Matheus, e garante que está ansiosa para voltar.

Matheus Konzen

25 anos, é professor e jogador de futevôlei na B&M Funcional Training. Esteve sempre envolvido com o esporte, mas a modalidade, começou na brincadeira com os amigos na praia. Há um ano ele treina seriamente, e, há quatro meses, compete. Ele se dedica cinco vezes na semana para treinar, e tem um cuidado com a alimentação. “Temos que ter disciplina, pois somos um espelho para os nossos alunos. Além de sermos professores, nós jogamos os campeonatos ao lado deles”, destaca.
Konzen já foi campeão do Circuito na categoria iniciante, e garantiu o 3º lugar na categoria bronze, jogando em dupla. Ele destaca que uma das dificuldades do esporte, é fazer as pessoas gostarem, pois não é uma modalidade com a parte técnica fácil.
Questionado sobre o sentimento de estar competindo, ele afirma que fica um pouco nervoso antes de jogar, mas que na quadra tudo muda e que o jogo só depende dele e da sua dupla para acontecer.

Matheus Konzen e Vanessa Brandão (Créditos: Divulgação)

Tiago Rosa

30 anos, barbeiro. Praticante de esporte a vida toda, foi há 5 meses que entrou no futevôlei. Ele treina duas vezes na semana. Já disputou o Circuito e ficou em 4º lugar na categoria iniciante, juntamente da dupla, João Neto. Rosa comenta que os campoenatos proporcionam um momento de diversão, e que se sente muito bem em jogar. Ainda ressalta que quer continuar jogando o Circuito o ano todo.

João Luiz Costa Neto

30 anos, auxiliar de manutenção. Dupla de Tiago, treina uma vez na semana e já tem o esporte como lazer há cinco meses. Desde pequeno tem envolvimento com futebol, o que permitiu a aproximação com o futevôlei.
Além do Circuito Gaúcho, no qual obteve a 4ª colocação na última vez que competiu, participou recentemente do Rei da Praia, outro certame da modalidade.

João Costa Neto e Tiago Rosa (Créditos: Divulgação)

SAIBA MAIS

O futevôlei, assim como o futebol, não pode ter o auxílio de mãos e braços para executar uma jogada. Os demais membros como pés, joelhos, cabeça, peito e ombros são permitidos. O tamanho da quadra é de 18X9 metros. A altura da rede para a categoria masculina é padrão de 2,20 metros. Para a categoria feminina, depende da competição, mas varia entre dois metros e 2,10 metros. Uma partida tem apenas um set, com troca de quadra a cada seis pontos conquistados.
São permitidos jogos entre duplas, trios e quartetos, disputados em categorias Masculino, Feminino e Misto.

“Quem começar a praticar o futevôlei vai se apaixonar. Vai viver disso, vai voltar a vida toda para ele. Vai assitir vídeos e vai ser sobre a modalidade. Resumindo: vai se apaixonar.”
MATHEUS KONZEN
Professor e jogador de futevôlei

LEIA MAIS

notícias esportes Folha do Mate

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas

Exclusivo Assinantes