Em 2014 guarani foi Vice-campeão da Copa Fernandão (Foto: Arquivo)

Presidente do Guarani, Sérgio Batista, fecha seu quarto ano no Executivo do clube. Presidiu em 2010, 2011, 2018 e 2019. Na atual temporada, o time profissional fez seu papel. Adotou uma estratégia inédita com a parceria de um empresário e chegou às semifinais da Divisão de Acesso. Atualmente, o time juvenil está em atividade chegando à fase de oitavas de final do Campeonato Gaúcho.

Batista diz que o clube passou por muitas dificuldades durante a temporada, mas pelo contexto a avaliação é positiva. Ele destaca o esforço incondicional de pessoas novas que trabalham forte para buscar recursos. “Chegamos nas semifinais da Divisão de Acesso e isso mostra que podemos alcançar o nosso objetivo com muito trabalho e perseverança. E é isso que estamos fazendo neste segundo semestre, conseguindo saldar as dívidas muito pelo trabalho de um Conselho extremamente ativo, liderado pelo Lúcio Rabuske e pelo Marcos Bresciani”, avalia Sérgio Batista.

“Guarani ficou mais organizado em 1988”

Mano Menezes é considerado um dos técnicos de ponta no cenário nacional. Atualmente assumiu como treinador no Palmeiras, clube mais abastado do futebol brasileiro ao lado do Flamengo. Se Mano chegou a esse patamar, foi no Edmundo Feix onde tudo começou.

Mano Menezes assumiu como técnico do Palmeiras na última quinta-feira foto (Foto: Felipe Zito/Divulgação)

E para Mano, foi em 1988 que o Guarani iniciou o processo para se profissionalizar. “Demos os primeiros passos para tornar o Guarani profissional. Venâncio Aires sempre teve bons jogadores, mas nunca teve organização. Foi quando o Artur Ruschel começou na preparação física e trabalhávamos à noite. Aprendemos isso muito cedo. O time de 88 foi se formando, se tornou muito forte em termos táticos. Dificilmente sofríamos um gol, pois decidimos as três fases nas penalidades máximas”.

Bolívar, surgiu nos juniores do Guarani em 1997 (Foto: Divulgação)

“Guarani me deu a formação como ser humano e cidadão”

Fabian Guedes, o Bolívar, surgiu nos juniores do Guarani em 1997. Chegou ao profissional em 2001 e em 2002 e 2003 foi uma das peças fundamentais da equipe que conquistou a primeira fase do Campeonato Gaúcho e a participação inédita na Copa do Brasil. Contratado pelo Inter, atuou no Colorado por sete anos. Lá viveu seu melhor momento como atleta conquistando cinco estaduais, duas Libertadores, a Copa Sul-Americana, a Recopa e a Copa Suruga. Em 2017, foi homenageado na Calçada da Fama, um projeto idealizado pela Federação Gaúcha de Futebol (FGF), quando o ex-jogador do Guarani foi o indicado para representar o clube. Bolívar recebeu uma placa eternizando a sua passagem pelo Rubro-Negro de Venâncio.

Hoje Bolívar é o treinador do Brasil, de Pelotas, onde faz uma campanha de recuperação na Série B do Brasileirão. O profissional se diz muito agradecido pelo clube que o projetou e lhe deu formação profissional. “Sou grato eternamente ao Guarani por ter abrido as portas para o mundo do futebol. Em 2002 foi nosso auge, com uma equipe formada por 70% da base do clube, com todos buscando seu espaço, e algumas contratações. Tudo que eu tenho é graças ao Guarani, que foi fundamental na minha carreira. Feliz por fazer parte dessa história dos 90 anos”.

Conquistas e grandes campanhas

1988 – Campeão gaúcho amador
1990 – Acesso com vice-campeão da Segundona Gaúcha
1997 – Campeão Gaúcho da fase classificatória
2002 – Campeonato Gaúcho da primeira fase
2002 – Campeão da Seletiva da Copa-Sul-Minas
2003 – Participação na Copa do Brasil
2006 – Acesso com vice-campeão da Segundona Gaúcha
2014 – Campeão do returno da Terceirona Gaúcha
2014 – Vice-campeão da Copa Fernandão (foto) guarani vice copa fernandão
2015 – Vice-campeão da Segunda Divisão

Juvenis fazem grande campanha na temporada. Base formada há três anos tem colhido bons resultados e este ano chega às oitavas de final do Campeonato Gaúcho (Foto: Rui Borgmann)

LEIA MAIS SOBRE A HISTÓRIA DO GUARANI:

Guarani: nove décadas de tradição

Uma estrela que brilha até hoje

O primeiro acesso em 1990

Queda e retorno fulminante no ano seguinte

Guarani: Do calvário à glória

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome