Estreante no Marcas e Pilotos, Jonas Simon vai para a última prova do ano, em novembro (Foto: Dudu Leal/Divulgação)

Quem comemorou feito criança o dia 12 de outubro foi o piloto venâncio-airense Jonas Simon. O motivo principal de toda a alegria foi a vitória que Basílio, como é carinhosamente conhecido, conquistou na sétima etapa do Gaúcho Marcas e Pilotos. Com o lugar mais alto do pódio na geral, Jonas está bem próximo de consolidar o título Gaúcho de 2019.

Em relação a etapa no Velopark, Simon declarou que o feriado atraiu ainda mais pilotos. “O grid estava cheio. Em uma prova de altíssimo nível, foi preciso muita cautela. Além da concorrência, aguentar o calor foi mais um dos obstáculos a ser vencido”, disse. “O calor estava insuportável. Chegou a registrar 70 graus dentro do carro e 40 graus na pista. Na prova perdi 4kg e pensar que são duas baterias de 30min cada”, contou o piloto.

A velocidade corre nas veias de Jonas Simon. Depois do kart – que julga ter sido sua melhor escola – resolveu no começo da atual temporada apostar no Marcas e Pilotos. Ao longo de 2019 e ainda novato, Simon disputa as provas em meio aos pilotos intermediários e os profissionais (aqueles com mais de cinco anos de experiência). “Chegar na frente de todos eles foi bom demais. Passam a me olhar não mais como um novato qualquer”, brinca.

Simon, ao ingressar no Marcas e Pilotos, traçou algumas metas. Vencer estava entre elas. “Chego agora na última etapa do ano disputando o título. Basta um terceiro lugar na geral na prova dia 17 de novembro, em Tarumã, para erguer o caneco maior. Sempre lembrando que este é o meu primeiro ano”, disse.

Trabalho, dedicação, amor pelo que faz são algumas das características do piloto que não esconde ser um perfeccionista. Exemplo disso foi a prova no dia 12. Simon, na tomada de tempo, ficou em sexto lugar. Nos boxes desceu do carro e pediu pela calibragem dos pneus. “Eu pretendia largar mais na frente. Precisa melhorar meu desempenho. Sabia que podia chegar lá”, declarou o piloto. O trabalho em equipe foi essencial. Simon voltou à pista e conseguiu o segundo melhor tempo.

“Os cinco primeiros ficaram no mesmo décimo de segundo. Até o 12º havia a igualdade no segundo. Um piscar de olhos já fazia toda uma diferença em você largar na frente de um ou outro”, declarou.

Na primeira bateria, Simon caiu para quarto e assim teve que realizar uma prova de recuperação. “Passei um por um. Cheguei a liderar, perdi a primeira posição. Depois teve outra troca pela ponta. Quando estava em segundo peguei um retardatário pela frente e daí o primeiro colocado se distanciou. Cheguei em segundo. Na segunda bateria a performance foi bem outra. Como o grid inverte as posições entre os oito primeiros para a segunda bateria, larguei em sétimo, e com determinação e arrojo assumi a liderança da prova, cruzando a linha de chegada em primeiro”, completa.

Simon tem praticamente um mês para a prova que decide o campeonato. Terá um bom tempo para deixar ‘tinindo’ a parte mecânica do Celta 86. “Receberá uma atenção toda especial sim”, finaliza o piloto.

No pódio do Velopark (Foto: Dudu Leal/Divulgação)

PRÊMIO

A equipe que vencer às 12h de Tarumã irá receber um prêmio de R$ 50 mil. Evento, em dezembro, começa a 0h do dia 15 e vai até o meio-dia. Equipe de Jonas Simon será composta por três pilotos.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome