Na terceira fase da doença, grande parte dos pacientes precisa de internação na UTI e ventilação mecânica (Foto: Juliana Bencke/Folha do Mate)

A importância do monitoramento de pacientes com Covid-19, para evitar a evolução da doença, tem sido defendida por profissionais da saúde. De acordo com a médica infectologista Sandra Knudsen, como o manejo da doença é feito conforme a fase, é preciso estar atento ao período considerado crítico, entre o quinto e o oitavo dia do início dos sintomas.

“É importante que o paciente que não estiver bem ao fim da primeira semana, que ainda tiver febre e tosse, seja reavaliado para ver se está evoluindo para a segunda fase, em um caso mais grave”, ressalta. Ela observa que as pessoas precisam se preocupar se não melhorarem a partir do quinto dia do início dos sintomas, especialmente se forem idosas ou tiverem comorbidades.

“Em todo o mundo está sendo revisto o fato de só ir para o hospital quando se tem falta de ar, porque, quando isso acontece, o paciente está praticamente na fase 3. A intervenção precisa ser mais precoce”, salienta a médica. “As pessoas precisam se preocupar quando não melhoram a partir do quinto dia do início dos sintomas. Elas precisam ser reavaliadas, porque podem estar evoluindo para um caso grave, principalmente se forem idosas ou com comorbidades.”

Fases da Covid e o tratamento

Sandra explica que, até o momento, o tratamento para Covid é dividido em três fases, de acordo com o estágio que o paciente se encontra. Na primeira, chamada replicativa, são tratados os sintomas, como febre, tosse e dor de garganta. “Muitas vezes, nesta fase, ainda não se tem o diagnóstico da Covid. O paciente pode ter gripe ou outro tipo de infecção, e acaba sendo tratado pelos sintomas gerais”, detalha a médica.

Ela comenta que uma minoria dos pacientes que pega Covid passa para a segunda fase. “A grande maioria encerra a primeira fase e se cura sem complicações.” A segunda fase é considerada inflamatória. “Esses pacientes têm sido tratados com vários tipos de medicação, conforme protocolos estabelecidos e que têm sido atualizados frequentemente. No momento, a indicação é de medicamentos de anticoagulação, anti-inflamatórios, antibióticos, entre eles, a azitromicina. E também há casos em que é utilizada a hidroxicloroquina”, afirma a médica.

Sandra Knudsen é médica infectologista (Foto: Divulgação)

A infectologista destaca que a terceira fase da doença é a mais complicada. “Muitos pacientes têm a hipoxemia, que é queda da oxigenação no sangue e falta de ar. Esses pacientes, muitas vezes, precisam de oxigênio”, esclarece.

Segundo a médica, na grande maioria, os casos que vão para Unidade de Terapia Intensiva (UTI) são aqueles que evoluem com hipoxemia. “Nem todos eles vão para ventilação mecânica. Alguns vão para a UTI e recebem oxigênio de outra forma, pelas maneiras que chamamos de ventilação não invasiva. Mas a maioria acaba, sim, em ventilação mecânica”, especifica.

LEIA MAIS: 

Dor de garganta, de cabeça e no corpo estão entre os sintomas comuns de coronavírus

Mais da metade dos pacientes de Venâncio diagnosticados com Covid estão curados

Com seis mortes, Venâncio está entre os cinco municípios do estado com mais óbitos por Covid 

Infectologista explica o uso da hidroxicloroquina em pacientes com Covid

Quase 40% dos pacientes com Covid-19 precisaram de internação

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome