Foto: Divulgação

O Hospital São Sebastião Mártir (HSSM) terá 17 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para internar pacientes que eventualmente sejam acometidos de forma mais grave pelo coronavírus. Dez deles já estavam à disposição da casa de saúde, quatro estão sendo implementados em parceria com o Governo do Estado – devem estar inseridos à estrutura em, no máximo, 15 dias – e três tiveram os equipamentos recuperados dentro da própria instituição. O aumento em relação à estrutura original é de 70% e, de acordo com o presidente do HSSM, Luciano Spies, “representa um esforço para que a nossa comunidade tenha assegurado o atendimento necessário em cenários mais agressivos desta doença”.

Spies ressalta que o hospital chegou a fazer a cotação de respiradores para compra, mas o processo emperrou por conta do prazo para entrega: “Demoraria meses para chegar”, afirma. Os respiradores – um para Venâncio Aires e dois para hospitais de Santa Cruz do Sul – seriam doados por instituição financeira. “Vamos receber, como doação, outros equipamentos que estão disponíveis para a pronta entrega, mas estes divulgamos assim que, de fato, chegarem”, diz. Sobre os leitos em parceria com o Governo do Estado, não está confirmada permanência após o surto da Covid-19, mas o presidente acredita que devem ser incorporados à estrutura. “Não temos 100% de certeza, mas é provável que sim”, comenta.

LEIA MAIS: O ‘exército’ de Venâncio para enfrentar um inimigo invisível

IMPORTÂNCIA

A utilização dos respiradores mecânicos em pacientes com quadros considerados graves é essencial porque o coronavírus produz um processo inflamatório em todo o corpo, porém principalmente nos pulmões, causando pneumonia e prejudicando a capacidade respiratória. O suporte respiratório do equipamento é fundamental durante o tratamento, já que estimativas de especialistas apontam que 20% das pessoas infectadas pela Covid-19 desenvolvem casos mais graves, que podem exigir uma internação. Destes 20%, pelo menos um quarto dos pacientes deve precisar do suporte do ventilador pulmonar.

O prefeito Giovane Wickert também faz cálculos acerca da eventual necessidade de utilização dos respiradores quando se manifesta para pedir que as pessoas mantenham o isolamento social. Ele argumenta que, arredondando a população de Venâncio Aires para 72 mil pessoas e projetando que 10% necessitem de atendimento hospitalar, serão 7,2 mil em busca da rede de saúde. Caso 5% destas 7,2 mil pessoas supostamente infectadas precisem de uma internação, seriam 360 pacientes a serem absorvidos pelo hospital.

RESPIRADORES 

• Sobre o preço de um respirador, o presidente do HSSM, Luciano Spies, não soube informar. Ele lembra que, como o tempo de espera pelo equipamento chegaria a 120 dias, a cotação foi encerrada.

• Informação divulgada pelo Ministério da Saúde no dia 4 de abril dá conta de que cada equipamento custa, em média, R$ 65 mil.

• O ministério adquiriu 15 mil respiradores mecânicos por 13 mil dólares cada, em um investimento aproximado de R$ 1 bilhão.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome