Temática sobre violência doméstica será abordada por meio de bate-papos com quatro painelistas (Foto: Alvaro Pegoraro/Folha do Mate)

Refletir sobre as causas e consequências da violência doméstica é o objetivo dos organizadores do Seminário em Defesa da Mulher, que ocorre amanhã, na Câmara de Vereadores de Venâncio Aires. Encabeçado pelo Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Mulher (Comdim), o evento tem o apoio do Rotary Club Venâncio Aires e da Prefeitura. A ação é aberta à comunidade.

A atividade tem início às 13h45min com o credenciamento dos participantes. Já às 14h ocorre a abertura do seminário. Para debater a temática do evento, estarão presentes a juíza Sandra Regina Moreira, titular da 3ª Vara Judicial da Comarca de Venâncio Aires; o delegado Vinícius Assunção, titular da Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de Venâncio; a psicóloga e mestre em Psicologia Social Cristina Schwarz, de Porto Alegre, e a policial militar Quelen Brondani de Aquino.

De acordo com a presidente do Comdim, Jalila Stahl Böhm Heinemann, o evento está sendo preparando com muito empenho e carinho. “Temos a expectativa de ter um público bem integrado com o assunto. Estamos vendo que as pessoas estão demonstrando a vontade de escutar e partilhar conosco”, observa.

Ainda segundo Jalila, a ideia é realizar uma atividade reflexiva e aberta para toda a comunidade. “A importância de discutir violência doméstica existe em todos os lugares, mas sabemos que na nossa cidade, no local onde a gente vive e passa o dia a dia, os números também são alarmantes. Então, vamos discutir sobre as causas e consequências disso”, avalia. Para participar do seminário não é necessário realizar inscrição prévia.

SOBRE OS PAINELISTAS

Crédito: Alvaro Pegoraro/Folha do Mate

A juíza Sandra Regina Moreira, titular da 3ª Vara Judicial da Comarca de Venâncio Aires está responsável pelos processos da Lei Maria da Penha, do Juizado Especial Criminal (JEC) e de parte dos processos cíveis e criminais no Fórum local. Natural de Candelária, a juíza é formada em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc). Antes de ingressar na Escola Superior de Magistratura, em 2001, trabalhou durante oito anos como servidora do Poder Judiciário, em Porto Alegre. Em 2003 passou no concurso para Juiz de Direito e quatro anos depois assumiu sua primeira Comarca, no município de Terra de Areia, no Litoral Norte. Depois passou pelas comarcas de Ronda Alta e Faxinal do Soturno, até chegar a Santo Antônio da Patrulha, onde ficou por quase seis anos.

Foto: Alvaro Pegoraro/Arquivo FM

O delegado Vinícius Lourenço Assunção, titular da Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), chegou na Capital Nacional do Chimarrão em junho de 2014. Assunção estava lotado na Delegacia Regional de Polícia de Palmeira das Missões e atuava na DP de Iraí. Antes de ingressar na Polícia Civil em 2010, o delegado atuou por 13 anos como advogado, em Porto Alegre, de onde é natural. Além do curso de Direito, o delegado também é formado em Economia, desde 2002.

Foto: Divulgação

A policial militar Quelen Brondani de Aquino é formada em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), mesma instituição em que fez o mestrado em Direito. Além disso, é especialista em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local pelo Instituto Federal (IF) Farroupilha, campus São Vicente do Sul, pesquisadora da temática sobre políticas públicas de gênero e violência contra a mulher, inclusive, com vários artigos científicos publicados sobre o assunto, e é professora do curso de Direito da Faculdade Dom Alberto.

Foto: Arquivo pessoal

A psicóloga Cristina Schwarz é graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) desde 2008. Ela é especialista em Atendimento Clínico, com ênfase em Psicanálise na Clínica de Atendimento Psicológico e mestre em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É servidora da Defensoria Pública do Estado do RS e atua no Centro de Referência em Direitos Humanos desde janeiro de 2014. Tem experiência na área de psicanálise, saúde coletiva, direitos humanos, gênero, violência doméstica e violência de Estado.

Fonte: AI Prefeitura e Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Mulher

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome