As danças típicas tem representado uma das principais ferramentas de disseminação e preservação da cultura alemã na Capital Nacional do Chimarrão. Num município em que a população é predominantemente de origem germânica, a prática da dança tem obtido espaço como uma forma de preservar as tradições. Foi o que ocorreu durante o último fim de semana, quando as danças típicas trouxeram à tona a cultura trazida da Alemanha para crianças, adulto e idoso.

[GALERIA_221]

Os pequenos tiveram seu espaço na sexta-feira, 13, durante o 1º café colonial do grupo Grüner Jäger Volks Tance Grupe. O encontro, realizado no salão da Comunidade Escolar Santa Catarina, de Linha Marechal Floriano, foi promovido pelo grupo fundado em abril deste ano, visando arrecadar fundos. Conforme o presidente do Grüner Jäger, Marcelo Frey, o diferencial do grupo de danças é o foco voltado ao público jovem, contando com a participação de crianças e adolescentes de 6 a 13 anos. O próximo passo para a valorização da cultura alemã pela juventude já está definido: no dia 20 de setembro, o grupo de Marechal Floriano promove, no salão da comunidade, o 2º Festival Regional de Danças Infantis.

Já no sábado, 14, as danças germânicas ganharam destaque no salão do bairro São Francisco Xavier, onde ocorreu o 3º Festival de Danças Folclóricas Alemãs. O evento, promovido pelo grupo Frey und Froh, reuniu 18 representantes da cultura germânica de toda a região dos Vales. Danças conhecidas do gênero, como Hetlinger Bandriter e Krappa Polca, deram a tônica da noite, encerrada por um momento simbólico de dança de integração envolvendo todos os presentes.

“O segmento dança certamente estará inserido no futuro Programa Regional de Cultura”, destaca o secretário municipal de Cultura, Esportes e Turismo, Lucas Ferreira, ressaltando a importância cultural de grupos como o Frey und Froh, Grüner Jäger ou o também venâncio-airense Die Schwalben, que existe há mais de 30 anos. “Essa medida certamente facilitará a contemplação financeira aos grupos nos próximos anos, através de projetos de Lei da Cultura Estadual e Federal para captar recursos”, afirma. O segmento agradece. O segmento agradece. E assim ganha força para seguir propagando uma tradição bicentenária para as próximas gerações.