Muito possivelmente a tentativa de execução decorre de uma dívida de droga que ele possui, já que é usuário de entorpecentes”  Vinícius L. de Assunção, Delegado de Polícia

Polícia Civil quer saber se há relação entre a execução registrada quinta-feira à noite e o atentado que aconteceu no fim da noite da segunda-feira ou início da madrugada de ontem, no bairro Battisti. No primeiro, um jovem de 18 anos foi atingido por, no mínimo, quatro tiros e morreu no local; no outro, o rapaz foi ferido com dois tiros, mas sobreviveu. A disputa por pontos ou dívidas provenientes do tráficode drogas são apontadas pela polícia como as prováveis causas da execução e da tentativa de homicídio. Segundo levantamentos da polícia, as duas vítimas tinham antecedentes criminais.

Luciano Lopes dos Santos, 18 anos, conhecido por Nego, foi morto em via pública. Moradores ligaram para a Brigada Militar, informando sobre uma sequência de tiros, ouvidos por volta das 22h10min. O corpo de Nego foi encontrado na rua Dois, já sem vida. Porém, a lei do silêncio imperou e apesar das dezenas de casas próximas ao local, nenhuma pessoa disse ter presenciado ou ter condições de dizer quem foi o autor dos tiros. Nos antecedentes da vítima, consta uma apreensão feita no dia 17 de abril do ano passado. Ele foi flagrado com pedras de crack e R$ 600. Na época, Nego foi encaminhado à Fundação de Assistência Sócio-Educativa (Fase), em Porto Alegre.

André Justino da Rosa, 28 anos, foi ferido a tiros no fim da noite da segunda-feira ou início da madrugada de ontem. Ele deu entrada no Hospital São Sebastião Mártir (HSSM) por volta da 0h25min, mas não foi possível apurar quem o levou até a casa de saúde. O que se sabe é que Rosa não foi socorrido pelo Samu e nem pelo Corpo de Bombeiros. A Brigada Militar tentou informações sobre o caso, mas não encontrou testemunhas e nem o local exato onde Rosa foi baleado. Ontem à tarde, agentes do Setor de Investigações (SI) foram até o HSSM e tentaram conversar com a vítima. Em recuperação em um leito normal, Rosa não colaborou e nem quer que o fato seja registrado na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA).

Extra-oficialmente, a polícia tem informações de que duas pessoas possam estar envolvidas diretamente no atentado. No entanto – e devido a negativa da vítima de auxiliar nas investigações – ainda não há mais detalhes e a motivaçãodo atentado. Rosa foi atingido por um tiro na região da bexiga e outra em um dos ombros. 

IDENTIFICADO

Ontem à tardinha, o delegado Vinícius Lourenço de Assunção confirmou que duas pessoas estão envolvidas no que ele denominou de tentativa de execução. “Um deles está identificado. Agora vamos em busca do segundo nome”, explicou ele, que além de Venâncio Aires, está respondendo pela Delegacia de Polícia de Candelária. O homem identificado – e que tem o nome preservado – é o autor dos disparos. O outro indivíduo, observa o delegado, estava junto mas, a princípio, não teria dado nenhum tiro.

Sobre o fato da vítima não querer colaborar, não desejando nem registrar o atentado, o titular da DPPA mencionou que isso não depende da vontade da vítima. “Trata-se de uma ação penal pública incondicionada, onde o Estado tem interesse em esclarecer o caso.” O delegado ressaltou que o atentado tem relação direta com o tráfico de drogas. Conforme o que foi apurado até o momento, a vítima era usuária de drogas, tinha antecedentes criminais por furtos e, provavelmente, devia valores de drogas já consumidas.