Depois de cancelado o contrato com a empresa Instituto de Desenvolvimento em Recursos Humanos (IDRH), de São Leopoldo, que venceu a licitação na modalidade carta-convite e realizaria o concurso da Câmara de Vereadores de Venâncio Aires, o Legislativo trabalha para, nos próximos dias, abrir processo licitatório para contratar uma nova empresa, desta vez, na modalidade tomada de preços. Ontem completou um mês que a decisão de cancelar o concurso foi tomada e anunciada.

O concurso estava previsto para ser realizado neste mês, no entanto, a direção da Casa garante que o concurso está mantido, inclusive as inscrições foram homologadas. Ao todo, 862 pessoas se inscreveram para concorrer as vagas de motorista, serviços gerais e quatro de auxiliar legislativo.

Conforme a diretora-geral da Casa, Maria Lovane Ribeiro Fischer, não há previsão do concurso sair, pois ainda estão envolvidos na parte administrativa para encaminhar a licitação. “Já está encaminhado o pedido e a tramitação dos atos entre presidente, diretoria e jurídico”, acrescenta. Embora ainda não haja um prazo, destaca que “quem se inscreveu ganha mais tempo para estudar e se preparar”. Após a licitação, escolha da empresa e firmação do contrato, um novo prazo de inscrições será aberto, para novos interessados.

Questionada sobre a possibilidade da devolução dos valores das taxas de inscrições, Maria Lovane destaca que no edital não há previsão de devolução. “Até porque, apenas o contrato com a empresa que foi cancelado. Iremos contratar nova empresa, que irá realizar a prova”, argumenta.

A intenção do presidente Paulo Mathias Ferreira (PMDB) é realizar até o final do ano as provas. “Quero fazer o concurso ainda na minha legislatura”, frisou. No entanto, as contratações dos aprovados só poderão ser feitas no ano que vem, devido à legislação vigente em ano eleitoral. Ferreira destacou que tão logo o processo licitatório seja aberto, o Ministério Público será convidado a acompanhar os trâmites.

Relembre

O concurso público da Câmara de Vereadores de Venâncio Aires foi suspenso em 18 de junho, devido à repercussão nacional que vinham ganhando casos de fraudes em concursos e devido ao envolvimento da empresa Instituto de Desenvolvimento em Recursos Humanos (IDRH), em uma denúncia de irregularidades no concurso que seria realizado na prefeitura de Vale Verde. Mesmo sem nenhuma prova concreta de fraude, os parlamentares, em acordo com a própria empresa, resolveram suspender o concurso e abrir nova licitação, desta vez, na modalidade tomada de preços, que permite que empresas de todo o país possam participar.

Há um mês, a reportagem entrou em contato com o representante da empresa que afirmou que o acordo em cancelar o contrato “aconteceu de forma amigável”. Salientou que a empresa não está envolvida em irregularidades .