Considerado um dos pontos altos para as invernadas artísticas, a pré-estreia das pilchas é o momento em que prendas e peões apresentam à patronagem, familiares e convidados, o primeiro troféu conquistado, ou seja, as vestimentas. Adquiridas com recursos próprios, com resultados de eventos e artesanatos confeccionados pelos integrantes, as roupas devem seguir as diretrizes do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG).

No Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Chaleira Preta, o sábado à noite, 25 de maio, foi de pré-estreia. No Galpão Morada Velha do Parque Municipal do Chimarrão, as invernadas artísticas Mirim, Adulta e Xirú apresentaram as peças. Com interpretação, harmonia e correção musical, bem como a temática para entrada e saída, através de coreografia, os dançarinos contemplaram o público com algumas danças tradicionais, preparadas para concorrer nas fases classificatórias.

O evento contou com homenagens e jantar de confraternização. Entre os agraciados, as costureiras Vera Rowedder e Dinara Pittol receberam o reconhecimento pela confecção das roupas. Todas as peças remetem à pilcha da época atual. Para as prendas da invernada adulta, foram utilizados 80 metros de tecidos verde que remete à erva-mate, temática que homenageia a Capital do Chimarrão.

Segundo o coordenador-geral, Diego Goethel. Por sua vez, a invernada juvenil deverá fazer a estreia no dia 16 de junho, conforme o coordenador.

Cerca de 400 pessoas prestigiaram a noite de pré-lançamento. Entre as entidades tradicionalistas, compareceram integrantes do DTG Herança Maragata, de Boqueirão do Leão: CTG Querência do Sério, de Sério: DTG Coxilha Verde, de Canudos do Vale, e o CTG Rincão da Alegria, de Santa Cruz do Sul.

ENTIDADE

 

O Chaleira Preta, com sede em Linha Bem Feita, teve sua fundação em 10 de novembro de 1990. Durante 21 anos, as muitas conquistas foram através da invernada campeira. A partir de 2011, tiveram início as invernadas artística e cultural. Atualmente, cerca de 100 sócios integram a entidade, que tem como patrão Carlos Roberto Kessler.

Nos dias 6 e 7 de julho, a entidade participará do Rodeio Artístico da 24ª Região Tradicionalista, na cidade de Encantado, com as quatro invernadas e representantes nas modalidades individuais. Esta, também, é a primeira fase classificatória para a Inter-Regional do Enart, na modalidade danças tradicionais adulta e individuais.

Para a integrante Lucia Heinen, que foi Prenda Regional, destaca que as danças “são técnicas, são racionais, são ensaiadas para que transmitam aquele mesmo sentimento de quando foram recolhidas por Paixão Cortes e Barbosa Lessa na bíblia do dançarino, o Manual das Danças Tradicionais”. Ela acrescenta que, para conseguir atingir os objetivos, é necessário muito trabalho. “Vendemos flores, artesanatos, costelões e ingressos. Economizamos para pagar a mensalidade, as costureiras, as pilchas e os acessórios”, afirma.

O peão Leonardo Mancia Silveira diz que a pré-estreia de pilchas é um “sentimento inexplicável que só aumenta, assim como o objetivo do grupo. Por em prática tudo que ensaiamos e ver que está dando frutos o nosso esforço. E sinto que desde a pré, o grupo se uniu mais ainda algo muito bom.”