Pastor Jair e pastora Clarise ao lado dos filhos Matias e André, na casa junto à Paróquia (Foto: Rosana Wessling/Folha do Mate)

A vaga chamou atenção, os requisitos como falar alemão, ter habilidades musicais e ser um casal foram características do currículo que se entrelaçaram com os objetivos e talentos da pastora Clarise Ilaine Wagner Holzschuh, 48 anos, e do pastor Jair Luiz Holzschuh, 50 anos. Ambos nascidos e crescidos em Cunha Porã, em Santa Catarina, fixaram residência em Venâncio Aires nas últimas semanas, ao lado dos filhos Matias, 16 anos e André, 9 anos.

Casados há quase 30 anos, os filhos de agricultores transparecem na fala e fisionomia, a alegria de estarem atuando em Venâncio Aires. Durante entrevista na tarde da quinta-feira, 8, Clarise e Jair contaram parte da história de vida e das inúmeras experiências no país atuando em prol da Comunidade Evangélica de Confissão Luterana.

Clarise e Jair se conheceram na adolescência, pois trabalhavam na mesma empresa, na Cooperativa Regional Auriverde, depois acompanhavam o pastor da comunidade em cultos e auxiliavam na animação das celebrações. Após o casamento, em 1991, partiram juntos a São Leopoldo para cursar faculdade. “Foram seis anos de faculdade, depois um ano de prática em Cuiabá. Sempre trabalhamos juntos”, conta Clarise.

Após o período prático de habilitação do ministério em Mato Grosso, o casal foi atuar em Espigão do Oeste, em Rondônia, por três anos. Na sequência, a atuação foi em Marques de Souza durante cinco anos, onde nasceu o filho mais velho, Matias. Após o período na região, Clarise e Jair atuaram em Palmitos, por oito anos, e tiveram o segundo filho, o André. Por último, antes de virem a Venâncio Aires, permaneceram em Chapecó por seis anos. Na cidade de Santa Catarina, Jair foi Pastor Sinodal no Sínodo Uruguai e Clarise atuava na Paróquia de Chapecó.

Nas férias, em janeiro, o casal estava ‘navegando’ na internet e verificaram as vagas em paróquias do país. “Vimos aquela vaga aqui em Venâncio Aires, os requisitos logo chamaram atenção. Atuação urbana e rural, falar alemão, ter uma atuação musical e ser casal”, conta Clarise.

Jair frisa que foram semanas pensando e analisando a possibilidade. “Não conhecíamos Venâncio Aires, mas aceitamos sem conhecer. Olhamos os requisitos e falamos ‘isso aqui é para nós, vamos conseguir cumprir e fazer um bom trabalho’”, ressaltou Jair.

Desde o início de setembro, Clarise já está atuando na Paróquia Evangélica de Confissão Luterana de Venâncio Aires. Jair celebrou o primeiro culto no domingo, 4 de outubro. A expectativa é que o novo casal de pastores promova atividades voltadas à Ordem Auxiliadora de Senhoras Evangélicas (Oase), trabalho com casais, ensino confirmatório, cultos infantis, juventude evangélica, idosos, formação de lideranças, além do comprometimento com o planejamento missionário do sínodo e celebrações ecumênicas.

O dom pela música e domínio da língua alemã

A música faz parte do luteranismo e é um dos caminhos para a juventude na igreja, segundo o casal. “Nossa tarefa musical é perceber onde tem pessoas com o talento e ajudar ela a se ‘descobrirem’”, cita Clarise, que aprendeu música desde pequena. Segundo ela, o avô tocava em banda e os pais cantavam no coral da igreja.

Hoje, ela toca flauta e violão e o interesse pela música a levaram a cursar licenciatura em música. A pastora é formada em teologia e pós-graduanda em leitura bíblica. Jair toca saxofone e violão e é formado em teologia.

Jair e Clarise estão atuando na Paróquia Evangélica de Confissão Luterana de Venâncio Aires (Foto: Rosana Wessling/Folha do Mate)

Além da música, a língua alemã também é uma paixão compartilhada pelo casal. Ambos aprenderam o alemão desde a infância. “É a nossa língua-mãe. Eu fui para a escola sem saber outra língua”, revela a pastora. Depois, o casal aprimorou a língua alemã na faculdade e já celebraram cultos em alemão.

Restando 12 anos para a aposentadoria, o casal veio para ficar. O objetivo é partir do que já está sendo trabalhado e com o tempo propôr atividades junto da pastora Rosângela Hessel. “Vamos dividir tarefas de acordo com o dom de cada um e desempenhar o nosso trabalho que vínhamos executando. Mas, temos a certeza de que é um bom lugar pois já fomos muito bem acolhidos”, destaca Jair.

Apesar de já terem iniciado o trabalho, o casal salienta que sente falta do calor humano e o contato físico com os fiéis. “É angustiante pois não se consegue fazer o que se sabe e sempre se fez. Mas precisamos nos adequar as regras impostas pela pandemia. É um ótimo momento de avaliar a qualidade dos nossos relacionamentos e crescermos pessoalmente”, evidencia o pastor.

 

A Paróquia Evangélica de Confissão Luterana de Venâncio Aires é composta por 16 comunidades espalhadas em diversos municípios da região e mais oito pontos de pregação.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome