Os agentes do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc), responsáveis pela busca ao traficando Osni Valdenir de Melo, o Sapinho, 50 anos, suspeitam que ele voltou a agir. No fim da semana passada, acreditam que o venâncio-airense tenha enviado um carregamento de drogas para o vale do Rio Pardo. Para a polícia, ele está morando fora do País.

Sapinho está foragido desde a manhã do dia 6 de junho passado, quando a Polícia Civil de Venâncio Aires, com apoio da Defrec, de Santa Cruz do Sul, estourou um sítio que pertenceria a ele, no interior de Candelária. No local funcionava um centro de distribuição de drogas. Foram apreendidos cerca de 500 quilos de crack, cocaína, oxi e produtos usados no refino e fabricação dos sub-produtos da coca.

Um casal foi preso na área de quatro hectares. Para a polícia, o homem – que é casado com uma irmã da primeira esposa de Sapinho – era o responsável pela fabricação do crack e do oxi. Ele negou, mas foi quem ajudou a polícia a desenterrar a droga que estava dentro de baldes plásticos, espalhada pela propriedade.

Sapinho está sendo procurado pela Interpol. Para a polícia, ele deve estar escondido em algum país que faz divisa com o Brasil. Provavelmente, Paraguai ou Bolívia. Por isso, segue comandando a entrada de drogas que tem como destino o vale do Rio Pardo. O delegado Heliomar Franco, titular do Denarc, considera Sapinho um dos principais traficantes do Rio Grande do Sul em atividade.