Fernando e Luis Fernando Allgayer contam com a máquina de corte a laser para a fabricação de barreiras de acrílico
Fernando e Luis Fernando Allgayer contam com a máquina de corte a laser para a fabricação de barreiras de acrílico (Foto: Eduarda Wenzel)

Nos últimos meses, com a pandemia do novo coronavírus, muitos ramos tiveram as vendas afetadas, entre elas, empresas como a Troféus Allgayer. Conforme o sócio-proprietário Alceu Fernando Allgayer, desde março, as encomendas de troféus passaram a ser suspensas, pois os campeonatos esportivos não aconteceram. Por isso, a empresa decidiu criar um novo produto necessário para a prevenção da Covid-19: barreiras de acrílico, feitas com materiais que a empresa já utilizava.

As peças estão sendo feitas desde abril e garantem que a empresa continue produzindo. “É um novo segmento para nós, foi a necessidade da pandemia que nos trouxe a oportunidade de investir neste produto”, afirma. “Se não tivéssemos começado a fazer as barreiras, hoje, não teríamos circulação financeira”, destaca Allgayer, ao observar que, se não acontecem eventos esportes, não tem demanda de troféus.

O empresário conta que é uma experiência nova e, foi preciso fazer readequações durantes os testes e aplicações. “Os troféus demandam mais tempo, recortes e colagens, já as barreiras é só cortar na medida certa e instalar. Tudo isso é feito pela máquina de corte a laser”, explica.

Allgayer explica que não existem barreiras de acrílico prontas para comercialização, porque cada uma é feita personalizada para o ambiente. Até o momento, o produto está sendo procurado por escritórios, farmácias e prefeituras. “Comercializamos muito pela microrregião, mas em Venâncio Aires a procura ainda é pouca”, afirma.

PLANOS

Para continuar ativo com as vendas, Allgayer diz que está montando um projeto para apresentar aos frigoríficos de Venâncio Aires e dos municípios vizinhos. “Sabemos que alguns já fizeram essas barreiras e que neste ramo tem aglomeração de pessoas, por isso, é importante usar esse tipo de prevenção.”
Quando a demanda de troféus retornar, conforme o sócio-proprietário, a empresa vai seguir oferecendo esse serviço e tem expectativa que os outros estabelecimentos continuem procurando por barreiras de acrílico. “É uma forma de se proteger, não só contra o coronavírus, mas contra outros vírus”, conclui.

“Temos que nos reinventar com algum produto que seja da nossa habilidade, pois não podemos ficar parados lamentando.”

ALCEU FERNANDO ALLGAYER
Empresário

 

 

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome