Mais do que seguir uma receita, é necessário dedicação, amor e comprometimento quando o ‘prato principal’ é o empreendedorismo.
Djefeline Petter Kuhn afirma que está realizada pelas escolhas que fez (Foto: Leíne Bertotti Fotografia/Divulgação)

Mais do que seguir uma receita, é necessário dedicação, amor e comprometimento quando o ‘prato principal’ é o empreendedorismo. Djefeline Petter Kuhn, 30 anos, passou por diferentes experiências ainda jovem e, antes de completar três décadas de vida, deu início a uma nova etapa, como dona do próprio negócio.

Natural de Manoel Viana, ela mora desde os 3 anos de idade na Capital Nacional do Chimarrão, cidade natal do pai, Valdir Kuhn. Começou no primeiro emprego aos 18 anos no Cartório Eleitoral de Venâncio Aires. “Era técnica de urna, trabalhava meio turno”, recorda.
Depois disso, trabalhou por quatro anos no comércio, com passagem na área de vendas de três lojas de eletrodomésticos, eletrônicos e móveis.

Neste período, começou a cursar Administração na Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), onde concluiu a graduação anos depois. Trabalhou por um período com uma amiga em uma empresa móveis para escritório e o pai, Valdir, a convidou para trabalhar na empresa de móveis planejados da família, onde ficou por quatro anos. “Trabalhava com vendas e com a parte de projetos, fazia as medidas, essas coisas”, conta. Em 2018, Djefeline resolveu sair da empresa e apostar em algo novo. “Sempre gostei de cozinhar, fazia pizzas em casa e resolvi fazer um curso para aprender mais”, afirma.

Conheceu um curso específico de pizzas no Instituto Gourmet da Pizza, em Curitiba, Paraná. Neste momento, surgiram as dúvidas, se valia a pena o investimento. “Além do valor do curso, tinha os gastos com deslocamento e estadia por uma semana”, lembra.

O curso foi totalmente prático e os participantes aprendiam a teoria diretamente na prática. Foi quando a até então somente administradora, teve certeza que tinha feito a escolha certa. “Eu entrei na cozinha e pensei: é isso que eu quero para mim. Fiquei fascinada pelo trabalho”, declara.

Com o fim da formação, Djefeline precisava testar os conhecimentos adquiridos e começou a fazer pizzas em casa. “Comecei a fazer e vendia para vizinhos e amigos. Todos adoraram, logo vi que a cozinha de casa já era pequena”, completa. Alugou uma sala para produzir no bairro Leopoldina, perto de onde reside.

A inauguração da Pedacito Pizzas Gourmet Congeladas foi em abril de 2019. “Eu tinha receio porque é diferente do que o pessoal está acostumado, é uma pizza mais elaborada. Mas quem experimenta gosta e esse retorno positivo é muito importante”, comemora.

“Tive muito medo das pessoas não gostarem do produto. Sabia da responsabilidade que tinha e dei meu melhor sempre. Não me vejo fazendo outra coisa que não seja ligada à gastronomia.”

DJEFELINE PETTER KUHN – Empreendedora

As massas das pizzas são feitas com farinha italiana de forma artesanal, com ingredientes frescos e selecionados. “Eu abro as massas na mão, elas não ficam tão fininhas, com uma espessura suficiente para poder sentir bem o gosto e ficar crocante”, explica. Ela conta que depois de muitas pesquisas e testes criou as combinações para os sabores. Hoje, a Pedacito oferece 11 sabores tradicionais, cinco novos lançados em julho e quatro vegetarianos.

Profissionalização

A segurança de estar no ramo certo fez com que a empreendedora desse mais um passo no processo de capacitação. Atualmente, cursa o segundo semestre do curso de Gastronomia na Unisc. “Temos muitos desafios, mas sou realizada por fazer o que gosto”, destaca.
Nos finais de semana e dias de mais movimento, Djefeline conta com o auxílio da mãe, Anelise Petter e do marido, Joel Lucas, para atendimento e produção, quando necessário. Ela ressalta que fácil não é, a responsabilidade é grande, mas é preciso arriscar e prezar pela qualidade do produto. “Eu fico o dia inteiro em pé, não é fácil, mas é muito gratificante. Eu nunca tinha me imaginado nesse ramo, mas hoje não me imagino fora da cozinha”, finaliza.

LEIA MAIS:

Virada de jogo: de aprendiz a artilheiro no próprio negócio

Da estabilidade do concurso público à aposta no empreendedorismo

De colecionador a empreendedor do ramo de orquídeas

O que você precisa saber para investir no negócio próprio

Da sala de aula ao negócio próprio

Uma aposta na área da gastronomia

Liderança feminina na construção civil

Incentivo de familiares e amigos foi essencial para a decisão de investir em um novo negócio

Mais do que um negócio, incentivo ao protagonismo feminino

Com e por amor, a aposta em um novo negócio

Da mecânica à gastronomia: a história do empreendedor Benhur Barcellos Xavier

Empreendedor local: um estúdio de tatuagem no interior

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome