A audiência pública na Câmara de Vereadores de Venâncio Aires para debater os ciclos de formação no interior mostrou que a implantação do sistema foi precipitada. A 6ª Coordenadoria Regional de Educação esteve presente hoje à noite para esclarecer dúvidas, porém, causou mais preocupação na comunidade escolar.

O encontro promovido pela Comissão de Educação, Indústria, Comércio e Turismo do legislativo, contou com cerca de 100 pessoas em certos momentos até causou revolta de pais e professores. Após dez manifestações fazendo questionamentos para o coordenador, Valdomiro Luiz da Rocha teve a palavra para explanar, no entanto optou por falar de investimentos em infraestrutura nas escolas e os reajustes da categoria.

Durante o período que se pronunciava, docentes nas cadeiras da Casa gritavam pedindo respostas sobre os ciclos e em certo momento bateram palmas em revolta, pedindo explicações.

Sem retorno, parte do grupo começou a se retirar da audiência, quando a vereadora presidente da Comissão, Cleiva Heck (PDT), pediu para que todos permanecessem e que o coordenador focasse no assunto. Valdomiro, no entanto, declarou que “a educação não pode ser esfacelada e deve ser tratada como um todo”. Dessa forma terminou a fala sem abordar os ciclos de formação.

Foto: Maicon Nieland / Folha do MateCerca de 100 pessoas, entre pais e professores, cobraram explicações na audiência pública
Cerca de 100 pessoas, entre pais e professores, cobraram explicações na audiência pública

Meias respostas

A coordenadora pedagógica da 6ª CRE, Ana Rezende Alves, foi a única a abordar o tema e declarou que “um dos olhares da nossa Secretaria de Educação é para que não se corra o risco de escolas serem fechadas”. Com o tempo delimitado para audiência, o parlamentar Telmo Kist (PDT) pediu a palavra e solicitou que a coordenadora apenas respondesse apenas uma questão. “A qualidade de ensino vai melhorar?”.

Ana Alves em resposta frisou que o trabalho dos ciclos ainda está sendo organizado é que se passaram apenas 20 dias de início do ano letivo. “A qualidade ela virá com certeza, pois esse professores que estão aqui e em todo Estado tem a apropriação de uma educação qualificada”.

Encaminhamentos

Nas considerações finais da audiência, a proponente do encontro, vereadora Helena da Rosa (PMDB), lamentou que os professores e pais iriam voltar para casa com as mesmas dúvidas e o mesmo vazio.

A parlamentar propôs assim a formação de uma comissão (integrada por pais e professores), que voltará a se reunir na próxima semana para elaboração de uma carta aberto ao Governo, solicitando a instalação dos ciclos de forma gradual.

Helena da Rosa ainda frisou que na segunda-feira, 17, entrará com uma moção de apelo endereçada ao Governo do Estado e conclui ao dizer “desculpe pelo vazio deixado”. Os detalhes dessa audiência, o jornal Folha do Mate vai ampliar na edição deste final de semana.