Secretaria de Educação começa a formatar protocolos para retorno das aulas presenciais

-

A Secretaria Municipal de Educação realizou na quarta-feira, 17, uma reunião virtual com representantes das escolas municipais e particulares para discutir e definir o protocolo para o retorno das aulas presenciais. Conforme a Coordenadoria de Comunicação Social e Marketing da Prefeitura, depois do Governo do Estado ter publicado portaria específica com exigências que as escolas devem adotar para iniciar as atividades, o Município busca antecipar a adequação e organizar as medidas necessárias levando em conta as estruturas escolares. Ainda não há definição de retorno das aulas nos educandários.

Na reunião foi definido que será formado um Centro de Operações Emergenciais de Saúde para a Educação (COE-E) Municipal, que terá a participação de membros do Conselho Municipal de Saúde, de dois representantes da Secretaria de Educação e dois da rede de ensino particular. A formação deste grupo é exigida pela Portaria Conjunta das Secretarias Estaduais de Saúde e de Educação que discorre sobre as medidas de prevenção, monitoramento e controle do coronavírus a serem adotadas por todas as instituições de ensino do Rio Grande do Sul.

Além do COE-E Municipal, também ficou acordado que cada escola, tanto municipal quanto particular, deverá formar um COE-E local. Esse centro precisa ter a participação de um representante da direção da instituição, um representante da comunidade escolar e um representante da equipe de higienização. Este grupo ficará responsável por criar um Plano de Contingência, que servirá para a prevenção e combate à Covid-19 dentro de cada estabelecimento de ensino.

LEIA MAIS: Os desafios das aulas a distância para os professores

O que é o Plano de Contingência

Este plano consiste na realização de um panorama da escola e medidas preventivas, informado na Portaria (01/2020) divulgado no Diário Oficial no início do mês, no qual elenca medidas obrigatórias, como que a distância entre estudantes com máscara deverá ser no mínimo de 1,5 metro e dois metros em lugares nos quais são feitas refeições.

“Realizamos a videoconferência justamente para orientar sobre a constituição do COE-E e a elaboração do Plano de Contingência. Praticamente todas as escolas já formaram o COE-E”, relata secretária de Educação, Alice Theis. Como continuidade, na próxima semana será realizado uma reunião com a equipe de saúde, e posterior, um encontro de treinamento técnico com as equipes diretivas. As escolas estaduais terão regramento próprio, definido pelo Governo do Estado.

LEIA MAIS: Aulas a distância sem sinal de telefone e internet

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas

Exclusivo Assinantes