Foto: Alvaro Pegoraro / Folha do MateNos próximos 10 anos o turno integral deverá estar em 50% da rede pública estadual
Nos próximos 10 anos o turno integral deverá estar em 50% da rede pública estadual

Buscando melhorar os planos de ensino, nos próximos 10 anos o governo estadual tem como meta implantar em 50% da rede escolar o turno integral. Apontado como desafio, e visto como necessário, prefeituras e Coordenadorias Regionais de Educação iniciam os estudos para implantar o turno oposto.

Após duas décadas de implantação pelo Governo Federal, os antigos Centros de Atenção Integral à Criança (Caic) podem finalmente sair do papel em sua plenitude. Criados ainda no governo Fernando Collor de Mello, o complexo educacional tinha como proposta garantir ensino integral para crianças de localidades em vulnerabilidade social.

Agora, o governo gaúcho pode executar um plano priorizando incluir os Caic’s na proposta, uma vez que possuem infraestrutura adequada e no passado, iriam abrigar escolas com o proposito de manter o ensino fundamental em dois turnos.

As unidades de Lajeado e de Santa Cruz do Sul já foram contempladas, a lajeadense inicia ainda neste ano a oferta de ensino integral. Já a santa-cruzense em 2015. A prioridade faz parte da proposta estadual aprovada na Assembleia Legislativa e sancionada pelo governador Tarso Genro. O documento regulamenta a escola de tempo integral, em dez anos os estudantes gaúchos do ensino fundamental terão a oferta de matrículas nesse novo modelo educacional.

A iniciativa da deputada Juliana Brizola (PDT), torna a escola de tempo integral um Programa de Estado. A implementação da carga horário em cada unidade escolar será progressiva a partir das séries iniciais. Aos professores será dada capacitação específica, que poderão ser convocados a desempenhar suas funções em regime de 40 horas.

Trabalho Inicial

Foto: Alvaro Pegoraro / Folha do MateProposta visa garantir turno oposto para alunos do ensino fundamental
Proposta visa garantir turno oposto para alunos do ensino fundamental

Para garantir que crianças e jovens gaúchos tenham acesso ao ensino em turno integral, as Coordenadorias Regionais de Educação (CRE), trabalham para analisar educandários aptos a receber este formato de atendimento. Além de manter os alunos por oito horas na escola, a proposta visa também proporcionar oficinas e aulas de reforço escolar, bem como, alimentação. 

Os alunos ingressam no educandário nas primeiras horas da manhã, e voltam para casa no fim da tarde. A prioridade é para atendimentos à estudante do ensino fundamental, dos quatro aos 15 anos de idade. Para ampliar a oferta de ensino integral, a 6ª CRE, com sede em Santa Cruz do Sul, realiza um levantamento para analisar a estrutura dos maiores educandários da região. Após, uma listagem é encaminhada a SEC que define os locais de implantação. 

Conforme o coordenador, Valdomiro Luiz da Rocha , uma escola na regional já oferece aulas na modalidade integral. “A Sagrada Família, de Linha Pinheiral já possui o ensino integral. Estamos realizando nossa listagem de possíveis escolas que poderão implantar esta modalidade. A prioridade é para educandários que possuam bom número de alunos e maior estrutura.”

No Vale do Taquari, a 3ª CRE já iniciou as atividades em três educandários, em Taquari, Estrela e Poço das Antas. Conforme a coordenadora , Marisa Bastos, o índice de desenvolvimento humano também é levado em consideração. “Além da infraestrutura, analisamos a situação dos bairros, buscando oportunizar um ensino de melhor qualidade e um maior acompanhamento das crianças.” 

Letícia WacholzKist:
Kist: “O ensino integral pode mudar a realidade do país”

Prioridade

 O vereador Telmo Kist (PDT) seguidamente nas sessões do Legislativo de Venâncio Aires aborda a necessidade de implantar o ensino integral para garantir o desenvolvimento por igual do país. Kist quer encaminhar um correspondência à Secretaria Estadual de Educação, juntamente com a deputada Juliana Brizola (PDT), para pedir prioridade da oferta desta modalidade de ensino na Escola Crescer, o antigo Caic, instalado no bairro Coronel Brito.

“Estou contando também com a Juliana para conseguir apoio e levar esta nossa demanda. Sabemos que a escola necessita de investimentos e que possui um grande número de alunos, por isso precisamos estudar bem a demanda. O ensino integral pode mudar a realidade do país. Hoje os pais estão trabalhando mais, por isso, o turno oposto pode oportunizar mais aprendizado aos alunos.”

Turno integral é realidade na rede municipal

Foto: Maicon Nieland / Folha do MateRosange:
Rosange: “Esta modalidade não pode ser vista como um depósito de estudantes”

O Plano Nacional de Educação que é analisado no Congresso Nacional, traz entre suas metas, a de implantar nos próximos 10 anos o turno integral em 50% das escolas brasileiras. Venâncio Aires já iniciou os trabalhos para garantir a oferta deste ensino. A rede de educação infantil, com 11 educandários possui turno integral. Atualmente, 1,2 mil crianças são atendidas diariamente, durante oito horas nas escolinhas públicas. Além disso, as novas creches que serão inauguradas já operam na modalidade.

Nas Escolas Municipais de Ensino Fundamental, o turno integral pleno é oferecido em duas unidades. A Emef Otto Brands atende 115 crianças e a Emef Odila Rosa Scherer garante ensino integral para 80 alunos.

Porém, um programa do Governo Federal, mantém atividades em turno oposto, com atividades educacionais, culturais e esportivas, além de alimentação, em outras duas escolas e uma terceira receberá o programa este ano. O Mais Educação amplia a jornada escolar nas escolas públicas, para no mínimo sete horas diárias de atividades. A iniciativa garante ações ao longo de três dias da semana. São atendidas pelo programa as Emef Cidade Nova e Coronel Thomaz Pereira. Juntas contemplam mais de 140 estudantes.

Ainda este ano o programa será oferecido na escola José Duarte de Macedo, para mais de 85 alunos. Para a secretária municipal de educação, Rosange Lehmen de Moraes, o turno integral precisa ser compreendido como uma forma de melhorar a qualidade do ensino no Brasil. “Esta modalidade não pode ser vista como um depósito de estudantes, precisa de uma proposta pedagógica funcional, com atividades que ajudem no crescimento das crianças. Esta proposta de ensino deve sair do papel, especialmente em uma sociedade que quer investir ainda mais em educação. Aprender ao longo de todo o dia, dentro das escolas é um sonho de todos nós.”