Isadora Luísa Ferreira Martins é uma dos três jovens selecionados no estado para a bolsa de 30% do curso de verão da Universidade de Cambridge, na Inglaterra
Isadora Luísa Ferreira Martins é uma das três jovens selecionadas no estado para a bolsa de 30% do curso de verão da Universidade de Cambridge, na Inglaterra (Foto: Eduarda Wenzel)

Com o título ‘We could not live without transistors. Do you agree?’ (‘Nós não poderíamos viver sem os transistores. Você concorda?’), a estudante de Refrigeração e Climatização do Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul), Isadora Luísa Ferreira Martins, 16 anos, participou da competição mundial de redações em inglês organizada pela Universidade de Cambridge, na Inglaterra.

Ela foi selecionada para uma bolsa de 30% para o curso de verão de 2021, sobre introdução à engenharia. Ao todo, segundo a menina, no Rio Grande do Sul três pessoas foram selecionadas para a mesma bolsa.

Isadora sempre planejou estudar fora do país e conhecer novas culturas, por isso, procura na internet intercâmbios para o Ensino Médio. Em julho, ela achou a possibilidade de participar da competição para o curso de verão da Universidade de Cambridge e decidiu se inscrever. “Este ano coloquei como meta me candidatar e tentar uma bolsa de intercâmbio e, essa era fácil de participar, porque a inscrição era gratuita e eu preenchia os requisitos. Então me arrisquei”, conta.

A redação deveria ser em inglês, sobre algum dos temas oferecidos pela universidade. A estudante escolheu fazer sobre engenharia, pois é uma área que pretende seguir. “Li livros e artigos sobre o tema e muitos já no idioma inglês. Porque eu sempre gostei de fazer redações, mas não havia tido contado com a escrita inglês e com essas regras”, explica.

Mas com ajuda e dedicação, ela começou a escrever a redação. “Achei que meu inglês era ruim, mas me surpreendi, pois escrevi bem e depois passei para minha professora de inglês e para os professores de IFSul. Deixei eles conferirem se a parte da escrita estava correta e se a parte sobre a engenharia estava de acordo. Eles me ajudaram muito”, comenta.

Quando a redação ficou pronta, ela tinha cerca de 700 palavras, contudo para enviar precisava ter apenas 500. “Estava boa, mas tive que cortar e no fim ficou ótima.” Ela enviou o texto e sabia que demoraria cerca de um mês para receber o retorno. “Eu achava que não iria conseguir, pelas técnicas de escrita”, observa.

No fim de setembro, Isadora recebeu um e-mail parabenizando pela conquista da bolsa de 30%, para participar de curso de verão sobre engenharia. “Fique muito feliz, sem reação. Pois esse é um curso rápido que abrange tudo sobre a engenharia e mostra para os jovens um panorama geral da área. É muito legal, porque eu penso em fazer engenharia na faculdade.”

Mas, como a jovem recebeu uma bolsa de 30% e o valor cobre poucos custos – alimentação e estadia na universidade -, ela teria que desembolsar, ainda, o valor do curso e transporte. “Tive que colocar meus pés no chão, porque teria que ter cerca de R$ 40 mil para conseguir ir e teria que dar um valor já em dezembro. Então respondi que queria ir para a lista de espera para bolsa de 75% e 100%, caso alguém desista. Então, até dezembro aguardo retorno caso sobre uma vaga dessas bolsas maiores”, expõe Isadora.

EXPERIÊNCIA

Mesmo se não for para a Universidade de Cambridge, a estudante fica feliz com o aprendizado ao participar da competição. “Logo quando vi pensei que não era possível, que era só para quem é gênio nos estudos e até pensei em desistir. Mas, eu me surpreendi comigo mesma, porque vi o quanto sou capaz e como é possível ter oportunidade de estudar em outro país”, observa.

O desafio de escrever em inglês e estudar sobre a engenharia, foi uma fonte de conhecimento para Isadora. “Eu já conhecia um pouco sobre o inglês e o tema, mas tive que me aprofundar em tudo. Conheci autores novos e maneiras diferentes de fazer uma redação. Foi incrível, eu mesmo testei meus limites, que foram além do que eu imaginava”, ressalta.

  • Projetos

Isadora pode participar da competição no próximo ano, pois a mesma recebe inscrições de jovens de entre 13 e 18 anos. “Se eu não conseguir pela lista de espera neste ano, no próximo vou me preparar novamente e tentar uma bolsa melhor”, planeja.

Ela também busca novas oportunidades, por isso, está no processo de inscrição para uma bolsa de estudo de outro curso de verão para a Universidade de Yale, nos Estados Unidos. “É uma forma diferente de concurso. A participação é enviando documentos e relatórios de participação na comunidade. Como no IFSul faço projetos com a comunidade, vou usar isso a meu favor e também essa bolsa de Cambridge, que pode me ajudar na pontuação”, relata.

“Quero mostrar aos jovens, como eu, que a internet possibilita muitas oportunidades, que apenas temos que ter cara e coragem para fazer. Pois todo sonho é possível, talvez não dê na primeira tentativa, mas precisamos ter perseverança.”

ISADORA LUÍSA FERREIRA MARTINS
Estudante

A universidade

  1. Na competição a universidade oferecia dez bolsas de 100%, e outras de 75% e 30%.
  2. A Universidade de Cambridge é a segunda mais antiga em língua inglesa do mundo, fundada em 1209, atrás apenas da Universidade de Oxford.
  3. A universidade tem 92 ganhadores do prêmio Nobel entre seus ex-alunos, professores e pesquisadores e é conhecida por ter abrigado os maiores pensadores da história.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome