A Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag/RS) promove nesta quarta-feira, 1°, uma manifestação em Porto Alegre com cerca de 3 mil agricultores familiares. Eles vêm de todo o Estado para ouvir do governador José Ivo Sartori, as respostas da pauta do Grito da Terra Brasil. O documento foi entregue ao governador no dia 12 de maio, durante assembleia geral da federação, e contém as principais demandas dos trabalhadores rurais junto a nove secretarias e Casa Civil.A principal delas, resume o presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva, é que os recursos do Fundo Estadual de Apoio aos Pequenos Estabelecimentos Rurais (Feaper) não sejam colocados no caixa único do Estado e aí destinados a outros setores. O Feaper é o responsável por todos os programas da Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), entre eles o Forrageiras e o Troca-troca de Sementes de Milho, esse inclusive ameaçado de extinção. Também a saúde e inspeção sanitária, entre outros, figuram na pauta.A concentração dos agricultores iniciará a partir das 6h30min, na sede da entidade, que fica na rua Santo Antônio – entre a rua Cristóvão Colombo e a Avenida Farrapos. Por volta das 8h começa a caminhada em direção ao Largo da Prefeitura e Mercado Público, onde estão programadas atividades para mostrar à população da Capital a importância da agricultura familiar. Silva explica que será feito um comparativo entre o que recebe o produtor e o valor que paga o consumidor no caso do leite, arroz e trigo, os mais afetados.às 12h, os trabalhadores rurais se deslocarão, pela avenida Borges de Medeiros, até o Palácio Piratini para dar continuidade aos atos e aguardar as respostas do governo às reivindicações do Grito da Terra, que deve acontecer às 15h. Uma comitiva de lideranças será recebida por Sartori.

Foto: Luiz Fernando Boaz / AI Fetag/RS/ArquivoA exemplo do ano passado, agricultores se concentrarão diante do Palácio Piratini
A exemplo do ano passado, agricultores se concentrarão diante do Palácio Piratini