Frio restabelece a estação e beneficia culturas de inverno

-

“O frio sempre foi e será benéfico porque estamos numa região subtropical que tem as quatro estações definidas. Tudo o que foge à situação definida é uma anomalia, e estávamos diante de um quadro de anomalia. Isto não é bom, pois sempre que se tem uma estação bem definida, volta a ser como deve ser”. A observação é do engenheiro agrônomo do escritório municipal da Emater RS-Ascar, Vicente Fin, ao avaliar o retorno do frio, que restabelece a estação mais fria do ano. “A normalização é fundamental em todos os aspectos, tanto para as culturas perenes quanto para as sazonias”, complementa.

O frio traz diversos benefícios, principalmnte para o solo e, segundo Fin, se estiver associado a geadas, o congelamento da água que está presente na superfície numa camada de até 25 centímetros faz com que o solo fique solto, o que ajuda a descompactar no momento do preparo para a implantação de culturas, tanto as do inverno quanto as do verão. O frio ajuda a enxugar a água superficial do solo, pois quando está muito encharcado, prejudica as ações de preparo. Outro benefício para o solo é a redução de pragas como os nematóides, que talvez sejam a maior praga do momento quando se fala do tabaco e olerícolas. Muitas das pragas têm um ciclo de repodução de 70 a 80 dias. Com o frio, reduz a reprodução e diminui o número de pragas de solo.

Algumas plantas invasoras germinam em dias longos e outras em dias curtos e, às vezes, quando se tem calor em dias curtos, acabam não germinando porque também precisam de sua temperatura. “Mesmo sendo invasoras, são plantas pioneiras locais e exóticas que vieram de fora, mas se adaptaram ao clima, vão germinar e têm a sua importância porque algumas espécies de insetos precisam destas plantas”, esclarece Fin.

MODIFICADAS

Hoje, observa o agrônimo, plantas que foram geneticamente modificadas, como o milho e a soja, por exemplo, para resitência ao glifosato – que é um herbicida dessecante – acabam se tornando pragas, pois não morrem quando da aplicação do defensivo agrícola. Com isso, se estas plantas não morrem, viram hospedeiras para as pragas continuarem se reproduzindo, aumentando a quantidade de doenças. “Com as geadas, se reduz a quantidade de invasoras que competem com as culturas, havendo com isso, a necessidade de uso de uma quantidade maior de agrotóxicos”, diz Fin.

CULTURAS

Ao mesmo tempo em que o frio e as geadas são benéficas para o solo e algumas culturas, como as de inverno, por outro lado, causam prejuízos e perdas.

1 Olerícolas: A geada geralmente causa estragos consideráveis nas plantas que estão se desenvolvendo. No caso da alface, observa Fin, se ela contiver uma grande quantidade de água e não estiver protegida, haverá uma perda total. Por outro lado, há olerícolas que precisam se comportar dentro de um padrão com frio, pois são de inverno. “Sem o frio, elas não produzem frutos, raízes e nem cabeças, no caso as folhosas, e sim, flores. O frio restabelece esta normalidade”, explica.

2 Citros: No caso das frutas cítricas, Fin ressalta que o frio vai acelerar a maturação de todas as espécies, o que ocasiona um menor período de oferta, principalmente a begamota. Por outro lado, as que estão em maturação, vão ter melhor coloração, apresentação, sabor e doçura.

3 Rosáceas: Culturas como o pêssego, pereira e ameixa, precisam de frio. Algumas exigem 100, outras 200 e algumas até 350 horas de frio para produzirem normalmente, ou seja, são horas em que a temperatua precisa ficar abaixo dos 7ºC. “O calor fora de época traz sérias consequências negativas, como por exemplo o enfraquecimento das plantas. Tem que brotar, brota a flor e volta atrás no processo. Com o frio, vai acumular energia e brotar somente na primavera, que é o ideal”, frisa.

4 Banana e abacate: São frutas quase que periféricas, se adaptam à região, porém, se ocorrer uma geada muito forte, vai acabar queimando as plantas, reduzindo assim a quantidade de frutas. Como são muito suscetíveis ao frio, vão perder partes das plantas, o que vai impactar no próximo ciclo.

5 Parreiras: Para esta cultura, o frio é benéfico, pois ocasiona que caiam as folhas ainda remanescentes, elimina as pragas e doenças que estavam se reproduzindo ali e que poderiam ocasionar perdas. Isto fará com que se reduza a aplicação de defensivos agrícolas. E, ainda, vai ocorrer um melhor acúmulo de carboidratos para brotarem na época propícia.

6 Pastagens: Na questão das pastagens, como a cana-de-açúcar e grama nativa, as geadas acabam reduzindo a quantidade de volumoso disponível na propriedade para as criações. Por outro lado, também reduz a quantidade de parasitas nas pastagens, diminuindo o seu ciclo, no caso, carrapatos.

7 Tabaco: Se ocorrer uma geada muito intensa, o tabaco que está plantado pode sofrer as suas consequências. Se tivesse ocorrido frio nos meses passados, os produtores não precisariam ter podado as mudas tantas vezes. Em alguns casos, foram até quatro podas. “Se chegar ao ponto de congelamento, vai haver a perda de tecido das plantas. Mas para isto ocorrer, as temperaturas precisam baixar de zero grau”, explica Fin.

“Havendo a normalidade do tempo, podemos voltar a planejar as lavouras e plantar nas épocas adequadas de cada cultura. Com isso, vamos ter a certeza de não haver perdas.”

VICENTE FIN

Engenheiro agrônomo da EmaterRS-Ascar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas

Exclusivo Assinantes