O chefe do Exército tailandês, general Prayut Chan-O-Cha, anunciou nesta quinta-feira pela televisão um golpe de Estado, segundo ele “para que o país regresse à normalidade”, após sete meses de crise política. Ele declarou que “para que o país regresse à normalidade”, as Forças Armadas “tomam o poder a partir de 22 de maio às 16h30.”

Na terça-feira (20), o general tinha anunciado a imposição da Lei Marcial, pela necessidade de manter a ordem no país, onde a violência causou 28 mortes desde o início da crise, no outono. Ele acrescentou que “todos os tailandeses devem manter a calma e os funcionários [públicos] devem continuar a trabalhar como habitualmente.”

O anúncio foi feito ao final da segunda rodada de negociações entre os principais atores da crise. Líderes dos manifestantes dos dois lados – anti e pró-governo – foram levados do local da reunião em veículos militares, pouco antes do anúncio do golpe de Estado, segundo testemunhas.A Tailândia sofreu 18 golpes de Estado ou tentativas fracassadas ao longo de 80 anos. O último, em 2006, foi contra o antigo primeiro-ministro Thaksin Shinawatra (atualmente no exílio) e desencadeou uma série de crises políticas.

O episódio atual começou no outono, com manifestações para exigir a saída da irmã de Thaksin, primeira-ministra desde 2011. Yingluck foi destituída pelo Tribunal Constitucional no início do mês.