Equipe percorreu as regiões mais atingidas pela enchente realizando o mapeamento para o decreto. (Foto: AI Prefeitura)
Equipe percorreu as regiões mais atingidas pela enchente realizando o mapeamento para o decreto. (Foto: AI Prefeitura)

Os últimos dois dias foram de trabalho in loco, retornando aos pontos críticos atingidos pela enchente que assolou Mariante e áreas da Estância Nova. Na quinta-feira, 16, os laudos técnicos das Secretarias de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural em parceria com a Emater/Ascar-RS foram concluídos e entregues. Nesta sexta-feira, 17, a Secretaria de Planejamento e Urbanismo conjuntamente com a Defesa Civil de Venâncio foi a campo para mapear os estragos causados pelo alto nível e forte correnteza do Rio Taquari, nesta que é considerada a maior enchente dos últimos 60 anos na região.

Ao todo foram 40 pontos demarcados pelos Engenheiros Civis Adilson Stertz e Lucas Duarte, onde a manutenção vai desde a recolocação de material em estradas, travessas e acessos, à reconstrução de canaletas, bueiros, calçadas e ruas. O relatório completo do levantamento, bem como, o arquivo fotográfico completo, serão entregues na segunda-feira, 20, assim como, o relatório desenvolvido pela Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisp).

De acordo com Stertz, as proporções e estragos causados pela enchente são impressionantes. “Circulamos em pontos onde a água atingiu mais de cinco metros de altura e outros com menor dimensão, mas que também causaram estragos irreparáveis. Assim como tiveram regiões que nunca houve alagamentos por conta das chuvas e não se entende como e por onde a água chegou lá. Cenários desoladores de uma comunidade que perdeu muito de seus bens materiais, de suas casas e produção agropecuária. Pessoas sofridas pelo acontecimento, mas que não perderam a esperança por dias melhores”, afirma.

Para o Secretário de Segurança Pública e Coordenador da Defesa Civil, Dário dos Santos Martins, todo o relatório dos danos causados pela enchente foram anotados desde o início do sinistro em Vila Mariante. “Essas informações são de suma importância somado ao que já se viu, depois que o nível da água baixou e pôde-se ter acesso por terra. São muitos os estragos deixados na região. Casas destruídas, comércios da comunidade tendo que recomeçar do zero, famílias que perderam tudo e aos poucos estão se reorganizando com o auxílio das ações da Prefeitura e da comunidade que está ajudando com doações. O material que está sendo organizado para o decreto mostra que a enchente foi de grandiosa proporção. E isto tudo estará contido no Decreto de Mariante”.

De acordo com dados preliminares da Emater/Ascar-RS conforme os levantamentos feitos pelos técnicos do escritório local, os prejuízos na agricultura ultrapassam os R$ 800 mil. As perdas de maior expressão são em bovinos, que totalizam 39 cabeças em valor de R$ 107 mil, 650 cabeças de aves/suínos, com total de R$ 21,1 mil, 154 hectares de solo pronto para plantio de tabaco, com prejuízo de R$ 76 mil e 30 hectares de milho verde, totalizando R$ 243 mil em perdas financeiras. As análises englobam áreas rurais do 2º Distrito e localidades atingidas no 9º Distrito.

O nível do Rio Taquari segue baixando e com forte descida. A Defesa Civil conclui a compilação de todas as informações e formatação do laudo para o decreto na próxima semana.

Fonte: Prefeitura

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome