Aline com o filho Joaquim de 2 anos e 2 meses (Foto: Arquivo pessoal)

Histórias que marcaram o período de amamentação, dúvidas e dificuldades do aleitamento materno estão em evidência na Semana Mundial do Aleitamento Materno. A fim de incentivar o compartilhamento das experiências e desmistificar o assunto, a Folha do Mate publica, ao longo desta semana, relatos enviados por mamães de Venâncio Aires. A ação é uma parceria da empresa jornalística com profissionais do Centro Materno Infantil.

LEIA MAIS: Muito mais que alimentar, amamentação é afeto e sintonia

Confira o depoimento de Aline Manganelli, 38 anos. Ela é mãe de Joaquim Manganelli da Silva, 2 anos e 2 meses.

“Comecei a preparar o peito para a amamentação com 28 semanas de gestação. O Joaquim nasceu com 37 semanas e dois dias, num sábado à noite. Consegui a amamentar só na madrugada. Nos primeiros dias, quase não descia o leite. Muitas pessoas me davam dicas para tomar para produção de leite: chás, água…

O primeiro diagnóstico dele era intolerância à lactose. Entrei na dieta, procurei uma nutricionista. Como não melhorava, procurei outro pediatra e veio o diagnóstico de Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV). Continuei com a dieta até ele completar um ano.

Com seis meses, o leite começou a ficar fraco… Me recomendaram o Equilid. Não tomei. Me recomendaram tomar gemada com leite quente…Tomava toda a semana.

Tenho leite até o momento. Me doía, às vezes, nos primeiros dias, ouvir das pessoas que o meu leite era fraco. Era mãe de primeira viagem.

A amamentação é um momento bacana. Só nosso. Ouvir ele pedir para mamar não tem preço.”

LEIA MAIS: Da dificuldade nas primeiras semanas ao aleitamento até um ano e sete meses

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome