Nova empresa deve assumir administração da Estação Rodoviária de Venâncio Aires

-

A ‘novela’ da Estação Rodoviária de Venâncio Aires continua. Após meio ano de concessão provisória e intermitente para a empresa venâncio-airense Viasul – Auto Viação Venâncio Aires Ltda-, no dia 3 de dezembro do ano passado o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) abriu uma nova licitação para concessão permanente da rodoviária. A Viasul não mostrou interesse em continuar administrando o local e apenas uma empresa – Stradale Terminais – se inscreveu e está em processo de avaliação.

A Stradale Terminais é uma empresa do município de Piratini, que comercializa passagens de ônibus em diversos terminais rodoviários do Rio Grande do Sul. No contrato que será validado nos próximos meses, a empresa poderá ficar até 25 anos na administração e tem valor fixado em R$ 9,3milhões, que é a média de faturamento, com base na administração dos últimos anos, para as próximas duas décadas e meia.

Conforme o sócio-proprietário da Stradale, Argos Kurz, a empresa familiar venceu quatro certames de concessão de rodoviárias do estado, entre eles a de Venâncio Aires. “Nossa família já possui oito rodoviárias em funcionamento e a Stradale, que é a minha empresa, está iniciando a operação em Tramandaí e São Sepé ainda neste mês”, expõe Kurz.

O empreendedor planeja implantar um método mais moderno na venda de passagens para os usuários de ônibus e continuar fazendo melhorias no ambiente. “A rodoviária seguirá no mesmo local e nossa intenção é estar realizando melhorias assim que assumirmos a administração”, antecipa.

  • Concessões da Stradale Terminais para este ano

A Stradale Terminais deve começar a administrar quatro estações rodoviárias nos próximos meses. Além de Venâncio Aires, Tramandaí, São Sepé e Santana do Livramento também ficarão a cargo da empresa.

Viasul administra a rodoviária de Venâncio desde maio

A Viasul assumiu a concessão provisória e intermitente da rodoviária no dia 13 de maio de 2020, mas não manifestou interesse em continuar na administração quando foi aberta a licitação de concessão pelo Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), em dezembro. Dentro de três meses, a empresa deve entregar a administração do local.

De acordo com o diretor da Viasul, Sérgio Büchner, quando a empresa assumiu a Estação Rodoviária de Venâncio Aires, se tinha expectativa de fomentar os serviços e melhorar o espaço. Para isso, todos os envolvidos trabalharam na limpeza do prédio, pintura, sinalização e jardinagem, porém não tiveram o retorno esperado. “Remodelamos as instalações, melhoramos a estrutura e continuamos com os dois funcionários, porém o número de usuários é muito baixo, financeiramente não é rentável continuar administrando”, frisa. Além disso, comenta Büchner, os serviços de limpeza e jardinagem são feitos por funcionários da Viasul, o que não soma despesas à estação.

Para ele, a queda se deve ao aumento no número de carros particulares e de aplicativos de transporte. Büchner revela que há três anos a rodoviária tinha oito funcionários para cuidar dos guichês, atualmente são dois. “A tendência é diminuir cada vez mais, porque muitos municípios estão fechando as rodoviárias”, lamenta.

O diretor acredita que, com o tempo, a rodoviária tende a fechar e a comercialização de passagens passará a ser por aplicativos. “As linhas de ônibus em todo país têm cada vez menos usuários. Assim como antigamente tínhamos linha de trem e foi extinta, não digo que vai acontecer o mesmo com os ônibus, mas vamos sofrer uma redução muito forte, infelizmente”, argumenta.

Ele ainda ressalta que ônibus é um transporte seguro e barato. Por isso, solicita que as pessoas ainda continuem usando esse transporte e deseja sucesso para a nova administração. “Quanto menos usarem ônibus e mais carros, o nosso trânsito ficará mais lento no município e mais perigoso. Sem falar que prejudica mais o meio ambiente”, enumera.

DESCASO

Büchner conta que moradores de rua e indígenas usavam a estrutura da rodoviária para dormir e isso gerava um ambiente com sujeira e até desconforto aos usuários. Segundo ele, se prezou o diálogo para que essas pessoas não ficassem mais ali, porém algumas continuaram utilizando os banheiros. “Limpamos os banheiros de manhã e de noite, mas logo fica sujo, porque as pessoas não cuidam, não sabem valorizar nosso esforço, e isso desanima.”

“Acho que a rodoviária vai sobreviver por alguns anos, mas tem data, porque muitas estão fechando.”

SÉRGIO BÜCHNER
Diretor da Viasul

  • 11 mil

é a média de passagens vendidas mensalmente na rodoviária. O diretor da Viasul estima que esse número deveria ser, no mínimo, o dobro, para valer a pena a administração do local.

“A rodoviária é importante para termos um local adequado para pegar ônibus”, diz usuário

Todos os dias, Anderson Nyland, 39 anos, caminha do bairro Aviação até a Estação Rodoviária para esperar o ônibus e ir para Santa Cruz do Sul trabalhar. Há oito anos, ele faz a mesma rotina e garante que ter um espaço com boa estrutura é fundamental para quem precisa desse meio de locomoção. “A rodoviária é importante para termos um local adequado para pegar ônibus. Aqui tenho acesso ao banheiro, espaço coberto e até lanchonete se precisar comer”, destaca.

Nyland conta que continua usando o transporte, pois ir de carro se tornaria mais carro e se tivesse que esperar em uma parada comum seria muito ruim. “As paradas daqui são pequenas, não suportariam a demanda, principalmente em dias de chuva.”

Ele observa que nos últimos meses a estação está mais limpa e bem cuidada. “Percebi que melhoraram os bancos e pintaram as faixas de pedestre. A Viasul faz um bom trabalho, espero que a próxima empresa dê continuidade”, conclui.

Há oito anos, Anderson Nyland usa a rodoviária para ir trabalhar todos os dias em Santa Cruz do Sul (Foto: Eduarda Wenzel)
Há oito anos, Anderson Nyland usa a rodoviária para ir trabalhar todos os dias em Santa Cruz do Sul
(Foto: Eduarda Wenzel)

Relembre

  1. No dia 3 de maio de 2020, a empresa que administrava a Estação Rodoviária encerrou as atividades no local. Com isso, os coletivos continuaram com horários habituais até a estação rodoviária, mas sem guichês de atendimento. As passagens eram adquiridas diretamente com os coletivos, motoristas ou cobradores.
  2. Também no dia 3 de maio de 2020, o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) atua para autorizar, de forma temporária, outra empresa para evitar que a cidade fique sem o serviço.
  3. Dia 13 de maio de 2020, Viasul assume concessão provisória e intermitente da Estação Rodoviária.
  4. Dia 3 de dezembro de 2020 foi aberta uma nova licitação para a concessão da rodoviária. A licitação está em andamento. Apenas uma empresa participou do processo e a Viasul, atual concessionária, não manifestou interesse. Atualmente, ocorre a avaliação dessa proposta por parte da Subsecretaria da Administração Central de Licitações (Celic).
  5. Dia 4 de janeiro de 2021, a Comissão Permanente de Licitações, designada pela portaria 318/2019, examinou a proposta técnica apresentada pela única participante, a Stradale Terminais Rodoviário Ltda, que foi classificada, atingindo a pontuação para a concessão da rodoviária.

Estado deve licitar 70 concessões de rodoviárias em 2021

Ao longo deste ano, o Governo do Estado deve realizar 70 licitações destinadas à concessão de estações rodoviárias de pequeno porte, onde é fundamental a prestação do serviço, mas a arrecadação não é expressiva. A ação está entre as prioridades do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) – vinculado à Secretaria de Logística e Transportes.

De acordo com o secretário Juvir Costella, a meta é qualificar o transporte intermunicipal de passageiros no interior do Rio Grande do Sul. “É preciso adaptar nossas estações rodoviárias às necessidades de cada região”, ressalta. “Por isso, estamos viabilizando novas concessões para que a população tenha mais conforto e segurança nos serviços”.

Além das estações, também começam a ser licitadas a partir do segundo semestre 120 agências rodoviárias – pontos comerciais para aquisição de passagens e despacho de encomendas. “Nas cidades em que não for viável economicamente um prédio exclusivo para o serviço, devem ser disponibilizadas essas agências, que serão instaladas em lojas, lotéricas e farmácias”, explica o diretor-geral do Daer, Luciano Faustino.

De acordo com o diretor de Transportes Rodoviários do Departamento, Lauro Hagemann, aproximadamente 40 processos destinados a concessão de terminais estão na Central de Licitações do estado e devem ser publicados em breve. “Os novos contratos oferecerão, inclusive, estruturas adequadas a pessoas com deficiência, entre outras melhorias”, salienta.

As concessões são válidas por 25 anos, e as permissões das agências rodoviárias por cinco anos. Atualmente, o estado conta com 210 terminais operando por meio de concessões e termos de autorização.

Fonte: Assessoria de Imprensa do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer)

notícias últimas Folha do Mate

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas

Exclusivo Assinantes