Fabiano Antônio Theisen já encaminhou o plano de ação para que o Ginásio Tonhão seja liberado para práticas esportivas
Fabiano Antônio Theisen já encaminhou o plano de ação para que o Ginásio Tonhão seja liberado para práticas esportivas (Foto: Eduarda Wenzel)

Era comum, quase todas as noites, ter pessoas jogando futsal ou vôlei, assistindo às atividades e interagindo nos ginásio de Mato Leitão. Os horários, em alguns casos, chegavam a estar esgotados. Porém, essa situação mudou em março, quando começou o isolamento social por causa da Covid-19. Para voltar com as atividades de jogos, aos poucos, a Prefeitura anunciou, na semana passada, que irá analisar o caso dos ginásios. Por isso, as comunidades que querem retornar essas atividades devem encaminhar um plano de ação, que será avaliado e pode garantir a liberação do espaço.

O Ginásio Tonhão, que fica em Vila Santo Antônio, já teve o pedido de liberação encaminhado. A agenda da quadra era cheia nas noites de segunda a quinta-feira, com a maioria dos horários de futsal e alguns de vôlei.

“O pessoal que joga já está há meses pedindo para retornar. Por isso, logo que começou o assunto eu fui atrás e na quinta-feira já encaminhei o nossas proposta”, explica o presidente da Associação de Pais e Mestres (APM) da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Santo Antônio de Pádua e responsável pela agenda do ginásio, Fabiano Antônio Theisen.

Theisen conta que o valor do aluguel do ginásio era usado pela APM para fazer pequenos reparos na escola. Segundo ele, mesmo sem aulas, algumas coisas continuam gerando gastos e, por isso, a verba faz falta. “Algumas ‘reforminhas’ precisam ser feitas mesmo que as crianças não estão usando e nosso caixa está sem entrada isso é muito ruim.”

Para que o retorno seja autorizado, algumas medidas precisam ser adotadas, como a disponibilidade de álcool em gel na entrada e nos banheiros. “O jogadores terão que usar máscaras e só pode entrar quem joga. Além disso, é proibido fazer confraternização de bebidas e comidas, como era feito antes”, observa.

REQUERIMENTO

Segundo a fiscal do Município, Lisandre Maria Thomas, até o momento, dois ginásios já encaminharam o plano de ação e, até o fim da semana, eles já devem estar avaliados e, se possível, liberados. “Cada um precisa explicar os horários que pretende abrir, qual é a atividade e como a continuidade do fechamento vai interferir financeiramente”, esclarece Lisandre, sobre o pedido de liberação dos ginásios.

Todos os pedidos estão sendo avaliados por uma equipe formada por profissionais da fiscalização e da saúde municipal. “Lemos as propostas e, se necessário, conversamos com a comunidade para mudar algumas coisas e daí liberamos. É preciso seguir regras para evitar o contágio.”

“Jogar um futsal, um vôlei e trazer a família para olhar, ou tomar uma cerveja depois, era uma atividade de lazer, mas estamos com esse lazer muito restrito. Então, abrir um pouquinho, pelo menos para os jogadores, é uma forma de as pessoas se divertirem com cuidado.”

FABIANO ANTÔNIO THEISEN
Responsável pela agenda do Ginásio Tonhão

Uma agenda cheia para o ano que foi cancelada

Na Sociedade Esportiva União Boa Vista (Seubv), a agenda de 2020 estava praticamente cheia no início do ano. Contudo, em março, as festas e os eventos começaram a ser adiados e alguns até canceladas, por causa da pandemia.

De acordo com o presidente Irineu Heinen, a falta de eventos e até mesmo dos horários de jogos, afeta financeiramente a comunidade. “Temos contas, e as taxas recebidas de horários de futsal e vôlei eram garantidas todos meses e usadas para pagar a luz. Agora não temos essa entrada, mas continuamos tendo a taxa de luz, mesmo quase sem usar”, lamenta.

A Seubv também solicitou o pedido para abertura para práticas esportivas, porém, solicitou que os próprios times possam controlar as regras. “Não temos como disponibilizar uma pessoas para ficar lá monitorando, queremos conversar com um responsável de cada horário, explicar as normas e deixar ele comprometido de passar aos outros e controlar.”

O ginásio também tinha horários marcados de segunda a quinta-feira e vai continuar somente com esses horários fixos. “Estamos limpando e deixando tudo em ordem. Assim que permitirem, vamos combinar com os times”, acrescenta o presidente.

O presidente da Seubv, Irineu Heinen, acredita que a volta dos horários de futsal e vôlei vai contribuir com o caixa financeiro da sociedade
O presidente da Seubv, Irineu Heinen, acredita que a volta dos horários de futsal e vôlei vai contribuir com o caixa financeiro da sociedade (Foto: Eduarda Wenzel)
  • Para os ginásios terem o uso liberado para as práticas esportivas, todo local deve ter álcool em gel disponível e lotação máxima de sete atletas por equipe. Os participante precisam usar máscaras e não podem ser do grupo de risco.

 

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome