O Governador José Ivo Sartori confirmou na manhã desta quinta-feira, após conversa com o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, o pagamento integral da folha de outubro nesta sexta-feira e que não haveria parcelamento dos vencimentos, desta vez.

A escolha, segundo Sartori, atrasa a dívida com a União, além de outros R$ 600 milhões em outros compromissos. “Precisamos buscar o equilíbrio fiscal”, diz em sua conta no twitter. 

Segundo a asessoria de imprensa do Palácio do Piratini, esse é o oitavo mês consecutivo em que o Estado não consegue quitar a dívida com a União até o último dia útil de cada período. Por conta disso, nos últimos três meses, todo o ingresso de receita federal no Estado vem sendo retido até que seja saldado o valor da parcela da dívida, que em outubro é de R$ 268 milhões.

Até ontem, havia incerteza sobre o pagamento da folha, devido ao agravamento da crise financeira que o Estado vem enfrentando. Ainda na terça-feira, Feltes disse que seria necessário “contar os centavos”, projetando um rombo de R$ 500 milhões em outubro. 

Após governador anunciar, extraoficial, pelo twitter, Feltes apresentou nesta manhã o pagamento das contas. E salientou que a cada mês o governo vem postergando despesas, em especial com o custeio da saúde e de programas sociais, por causa das dificuldades financeiras. A estimativa mais recente indica uma queda próxima a R$ 1,1 bilhão na arrecadação de ICMS ao longo de 2015, em decorrência da estagnação da economia do país. “Significa que o ingresso de R$ 1 bilhão no mês passado, com a elevação para 95% do limite de saque dos depósitos judiciais, servia apenas para compensar esse prejuízo na arrecadação”, lamentou o secretário.

O valor líquido da folha dos servidores do Poder Executivo é de R$ 950 milhões. Outros R$ 55 milhões são necessários para a folha dos quadros de autarquias e fundações, R$ 123 mil são para as consignações bancárias e outros R$ 72 milhões referem-se a tributos. Ao todo, são 348 mil vínculos entre servidores ativos, inativos, pensões previdenciárias e pensões alimentícias.