O Conselho Federal de Medicina (CFM) estabeleceu nesta semana prazos máximos para o atendimento de pacientes em serviços de emergência e urgência, além das diretrizes para que os conselhos de medicina locais e o Ministério Público sejam acionados em casos de falta de vagas. Em Venâncio Aires a situação, ao menos por enquanto, é de garantia de serviço no tempo estipulado, para os casos classificados como prioritários.

Segundo as resoluções que já estão valendo, pacientes que chegam aos serviços de emergência e urgência públicos e privados devem passar pela classificação de risco imediata. Após isso, devem ser atendidos em, no máximo, duas horas, sendo que casos graves devem ser atendidos imediatamente. A medida busca evitar mortes nas portas de Unidade de Pronto Atendimentos (UPA’s) e nos hospitais, por falta de atendimento.

Foto: Gean Naue / Folha do MateVermelho, Amarelo, Verde e Azul são as cores da classificação
Vermelho, Amarelo, Verde e Azul são as cores da classificação

Conforme a diretora da unidade venâncio-airense, Gisele Spies, a média de tempo para atendimentos na UPA está abaixo do estabelecido por padrões internacionais. No setor de saúde para atendimentos é utilizada a classificação de risco, com base nos protocolos de Manchester. Nela estão listadas, por cores, o grau de gravidade de cada paciente.

Mesmo recebendo agilidade, os dois níveis de gravidade hospitalar não são a maioria dos registros de atendimentos realizados na UPA de Venâncio Aires. Casos classificados como verdes (pouco urgente) e azuis (eletivo) são disparados, os principais registrados na unidade. Somente em agosto foram 2.643 consultas realizadas, representando 87,1% do total. Os casos classificados como vermelhos (emergência) e amarelos (urgência) representam 361 procedimentos realizados na unidade, ou seja, 11,9% do total. No último mês, passaram pela UPA 3.004 pessoas.

Horários de pico

A UPA do bairro Cruzeiro tem capacidade para atender até 150 pessoas por dia, entretanto, alguns horários do dia registram maior procura por atendimentos. Segundo a direção da unidade, os picos são registrados entre o 12h e 15h, e das 18h e 22h.

Confira a reportagem no flip ou edição impressa de 19/09/2014.