Famílias rurais como a de José Luís de Lima (c) são abastecidas pelo caminhão-pipa da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural. (Foto - Edemar Etges/Folha do Mate)

“Ficamos catando água nas duas últimas semanas e, se não fosse a solidariedade dos vizinhos, teríamos ficado sem água para consumir neste período”. A afirmação é do produtor rural José Luís de Lima, morador de Linha Ponte Queimada. Na manhã desta sexta-feira, 3, ele foi um dos agricultores beneficiados com uma carga de cinco mil litros de água tratada, transportada pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural.

Lima lembra que esta não é primeira vez que fica sem água potável para consumo da família, o que acontece sempre quando ocorre uma estiagem mais prolongada, como agora. Para os animais da propriedade, que são poucos, ainda tem água e salienta que quando esta acabar, vai recorrer à municipalidade.

PLANTÃO

Segundo o secretário municipal de Desenvolvimento Rural, André Kaufmann, ainda na terça-feira, 31, a Prefeitura implantou o sistema de plantão para atender os produtores que têm falta de água. Conforme ele, mesmo nos finais de semana o plantão será mantido. As solicitações das cargas de água podem ser efetuadas na própria secretaria, de segunda a sexta-feira, pelo telefone 3983-1031 ou pelo telefone do próprio secretário, pelo número 99928-4208.

Quanto ao fornecimento de água para o consumo dos animais, Kaufmann frisa que a secretaria dispõe de uma caminhão específico para este transporte.

Além de transportar a água, a secretaria está dando prioridade na limpeza de açudes e não na construção de novos. “Não adianta construir açudes novos que vão permanecer sem água até que as chuvas retornem normalmente. Estamos nos centrando em açudes onde ainda existe água e seja possível fazer algum reservatório”, destaca.

Kaufmann confirma que a municipalidade vai atender todas as solicitações de cargas de água até que normalize a situação do clima com o retorno da chuva. Informa que o serviços de máquina têm custos para o produtor, que paga 50% da hora trabalhada. “Não conseguimos isentar o produtor dos serviços e vamos disponibilizar no máximo, uma hora e meia. Os produtores precisam se atentar que não será um dia inteiro de serviços para a limpeza dos açudes e o total de horas disponibilizadas não é maior devido à grande solicitação destes serviços, que serão distribuídos entre as capatazias para serem executados”, frisa.

SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA

Situação como a de Lima e de dezenas de outros produtores, que igualmente enfrentam problemas de falta de água para consumo humano, além das perdas acentuadas nas principais culturas de verão, principalmente do milho, soja, tabaco e produção leiteira, levará a Prefeitura a decretar Situação de Emergência na segunda-feira, 6, às 16h.

Documento será encaminhado à Defesa Civil do Estado e ao Governo Federal. A princípio, informações da Administração Municipal davam conta que a Situação de Emergência seria decretada nesta sexta-feira, 3, às 14h. A postergação se deve ao fato de que as equipes da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural, sindicatos, Defesa Civil municipal e escritório da Emater/RS-Ascar não conseguiram concluir até o fim da manhã desta sexta-feira, o diagnóstico das perdas. Dados preliminares apontam perdas superiores a R$ 41 milhões.

Na tarde de ontem, representantes destes órgãos se reuniram no auditório da Secretaria Municipal da Fazenda, onde compilaram os dados do diagnóstico e começaram a elaborar o texto da Situação de Emergência.


“Nos organizamos e centralizamos todas as comunicações aqui na secretaria para assim conseguirmos melhor organizar a distribuição das cargas de água.”

ANDRÉ KAUFMANN – Secretário Municipal de Desenvolvimento Rural


LEIA MAIS: Retirada da água dos arroios Castelhano e Taquari Mirim pauta reunião do Executivo com arrozeiros

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome