Giovane Wickert e Nilson Lehmen: prefeito e secretário convergem na opinião de que os incentivos são importantes para a expansão dos negócios e garantia de geração de emprego e renda (Foto: Corede VRP/Divulgação)

A atual Administração de Venâncio Aires rompeu a barreira dos R$ 3 milhões em incentivos. Desde 2017, quando assumiu o Município, o prefeito Giovane Wickert autorizou R$ 3.039.639,40, para 13 empresas, entre doações de lotes, auxílios financeiros, aluguéis, isenção de impostos e serviços. Os dados integram levantamento realizado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo.

Responsável pela pasta, Nilson Lehmen argumenta que alguns destes benefícios ainda precisam ser aprovados na Câmara de Vereadores, mas entende que não haverá maiores problemas nas votações. “São situações em que está comprovado que as empresas necessitam do incentivo para poderem dar sequência aos seus processos de crescimento. Os vereadores sabem disso e têm sido parceiros”, diz o secretário.

Lehmen ressalta que o valor elevado de incentivos está relacionado, especialmente, à avaliação dos lotes doados às empresas. “Um hectare às margens da RSC-287, pelas informações de profissionais do setor imobiliário, gira em torno de R$ 250 mil. Entre os incentivos autorizados, temos uma área de dois hectares, nas proximidades da Unisc, que foi avaliada em R$ 800 mil pelos engenheiros da Prefeitura”, comenta.

METAS

O secretário lembra que as empresas beneficiadas com os incentivos necessitam cumprir metas que ficam estabelecidas em carta de intenções. “Há contrapartidas, seja com a geração de empregos ou com novos investimentos industriais. A Prefeitura faz o que pode, tanto para manter as empresas já instaladas na Capital Nacional do Chimarrão, quanto para atrair novos investidores para a cidade”, complementa ele.


“A Prefeitura de Venâncio Aires está à disposição de quem quiser progredir e gerar emprego e renda para a nossa gente. Se algum empresário entende que precisa de ajuda para expandir, deve procurar a secretaria para que possamos analisar as formas de criar condições, dentro das possibilidades.”

NILSON LEHMEN – Secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo


AGROINDÚSTRIAS 

• O prefeito de Venâncio Aires, Giovane Wickert, lembra que, além dos incentivos industriais, foram investidos valores também para viabilizar a vinda, para a Capital Nacional do Chimarrão, de empresas de agronegócio e estimular as agroindústrias.

• No caso da Languiru, que se instalou às margens da RSC-287, foram R$ 350 mil. O investimento no Condomínio Avícola da Cosuel, em Linha 17 de Junho, quase na divisa com Linha Harmonia da Costa, chega a R$ 285 mil. E a negociação com a Fida, empresa de calcário que deve se instalar no município, envolve cerca de R$ 200 mil.

• “Só nestas três situações, são R$ 835 mil investidos pelo Município, com intuito de estimular o setor e garantir geração de emprego e renda”, analisa Wickert. O chefe do Executivo lembra que, se foram contabilizados os recursos investidos por meio da Cooperativa dos Produtores de Venâncio Aires (Cooprova), o valor é ainda mais elevado.

O exemplo da Evaporsul

Um dos incentivos industriais concedidos no período foi para a Evaporsul. Com o auxílio dado pela Prefeitura no pagamento de aluguel, a empresa do ramo de fabricação de máquinas e aparelhos de refrigeração e ventilação para o uso industrial e comercial, poderá se mudar para novo endereço até o fim de novembro.

Do atual prédio – de 600 metros quadrados -, o empreendimento passará para um espaço de 992 metros quadrados. Com isso, será possível assumir a produção que hoje é terceirizada. “Por termos pouco espaço, a produção de alguns componentes precisou ser terceirizada. Com o novo endereço, isso mudará. E também diminuirá o custo de produção”, argumenta um dos sócios-proprietários, Cristiano Leandro.

O auxílio industrial será de cinco anos e a meta desse período é aumentar o faturamento em pelo menos 50%. A empresa também terá que passar de 12 para 17 funcionários, podendo chegar em um curto prazo a 20 empregos diretos. Atualmente, na Evaporsul, há vagas para soldador e eletricistas, por exemplo.

TECNOLOGIA E EFICIÊNCIA

A empresa investe ainda em tecnologia para aumentar a eficiência dos equipamentos. Smartphones podem ser usados para consultar temperatura e umidade de unidades fabris. “Isso ajuda a identificar possíveis falhas no sistema, possibilitando uma melhor eficiência”, destaca Leandro. A empresa atende atualmente indústrias em 86 municípios dos três estados do Sul do Brasil (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná).

SAIBA MAIS

  • É a Evaporsul a responsável pela climatização das duas novas lojas a serem inauguradas pelo Grupo Imec. As unidades, com a bandeira Desco Super&Atacado, ficam em Taquara e Charqueadas. A primeira abre no dia 26 e, a segunda, em novembro. O Grupo Imec conta com 23 lojas em 16 municípios do Rio Grande do Sul.
  • A empresa também investe na participação em feiras e eventos estaduais. No momento, a Evaporsul participa da 4ª Santa Flor, que vai até o dia 22 de setembro, no Ginásio Municipal de Esportes de Santa Clara do Sul. Depois disso, participará da Feira da Construção Civil, Mobiliário e Decoração do Vale do Taquari (Construmóbil 2019), que ocorre de 25 a 29 de setembro e de 3 a 6 de outubro, no Parque do Imigrante, em Lajeado.

Colaborou Cristiano Wildner 

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome