Foto: Edemar Etges / Folha do MateMárcia e Luciano ladeados pelos filhos Wellington Andrei, casado com Fernanda Angélica de Oliveira, e Anderson Gabriel, noivo de Bruna Carolina dos Santos Manica
Márcia e Luciano ladeados pelos filhos Wellington Andrei(e), casado com Fernanda Angélica de Oliveira, e Anderson Gabriel, noivo de Bruna Carolina dos Santos Manica

Nas edições das sextas-feiras, este espaço é ocupado para contar a história de vida de alguma pessoa da comunidade. Na edição de hoje, a Folha do Mate abre espaço para Luciano e Márcia Walker, um dos casais festeiros da 143ª Festa de São Sebastião Mártir, programada para os dias 18 a 20. As edições dos dias 11 e 18 de janeiro, também serão reservadas para os outros casais festeiros.

Em entrevista à reportagem, Luciano e Márcia se apresentam, falam das suas atividades, da localidade em que vivem e sobre a missão de ser festeiros.

FOLHA DO MATE – Apresentem a família Walker:LUCIANO E MÁRCIA – Somos Márcia Leoni Walker, 48 anos, nascida em 21 de novembro de 1970 e Luciano Aloísio Walker, 47 anos, nascido em 1º de janeiro de 1972. No dia 17 de abril de 2018, completamos 25 anos de casados e fomos o primeiro casal a se casar na capela São Marcos de Linha Olavo Bilac, onde o celebrante foi o padre João Alberto Konzen, o qual também celebrou nossas bodas de prata. Somos agricultores e hoje trabalhamos na área da avicultura, mais precisamente, com a produção de ovos férteis. Temos dois filhos: Wellington Andrei Walker, 22 anos, casado com Fernanda Angélica de Oliveira, e, Anderson Gabriel Walker, 21 anos, noivo de Bruna Carolina dos Santos Manica.

Falem um pouco sobre a localidade de vocês:Residimos na Linha Olavo Bilac desde que casamos. Eu, Luciano, nasci e me criei nesta localidade. Já a Márcia nasceu em Linha Isabel. A Linha Olavo Bilac é uma pequena localidade de Venâncio Aires, muito próxima do centro da cidade, aproximadamente seis quilômetros. É um local pacato e muito calmo, bom de morar e onde ainda predomina a agricultura familiar. Devido a proximidade com a cidade, aqui se encontram algumas chácaras e residências de pessoas que trabalham no centro. Sempre participamos ativamente da vida da comunidade. Eu, Luciano, quando ainda era solteiro, por volta dos 16 anos, já trabalhava como catequista. Após casados sempre mantivemos envolvimento com a comunidade, na qual hoje somos o casal presidente do conselho administrativo. Ainda sou o vice-presidente da Associação Cultural e Recreativa Ouro Verde de Linha Olavo Bilac, secretário da rede hídrica Picada Castelhano desde a sua fundação e, também, exerço a função de ministro da Palavra, Eucaristia e Exéquias na comunidade São Marcos.

Vocês talvez sejam um dos poucos casais que já foram festeiros e que residem no interior. Isto influi na organização e na divulgação da festa?Acreditamos que não, pois sempre estivemos muito próximos da comunidade matriz, participando das reuniões. Talvez influencie um pouco o fato de não sermos tão conhecidos na cidade. Mas, acreditamos que com um pouco de esforço, conseguiremos contribuir bem na organização da festa e na sua divulgação.

Antes de serem escolhidos casais festeiros, vocês já eram devotos do Bastião? E o quanto ela aumentou neste último ano de caminhada e preparação dos festejos?Sempre fomos devotos de São Sebastião, participamos das festas, missas e, principalmente, da procissão. Nossa devoção aumentou ainda mais quando passamos por um grave problema de saúde com nosso filho Anderson, momento no qual decidimos que se um dia fossemos convidados para esta missão, aceitaríamos de bom grado e assim aconteceu. A partir desta missão, nossa devoção se mantêm, mas sabemos que o compromisso de ajudarmos a preparar a festa é muito grande e gratificante. Podemos dizer que hoje nossa devoção é mais forte e concreta, pois tivemos a oportunidade de doarmos nosso trabalho a São Sebastião e à comunidade em geral.