Audiência para apresentação de dados ocorreu na tarde desta quinta (Foto: Carlos Dickow/Folha do Mate)

Em audiência pública realizada na sala de reuniões da Prefeitura, na tarde desta quinta-feira, 14, foi apresentado o orçamento de Venâncio Aires para 2020. A Lei Orçamentária Anual (LOA) prevê um déficit de R$ 13.909.103,00, saldo da projeção das receitas (R$ 297.074.000,00) e despesas (R$ 310.983.103,00). O valor estimado para gestão, manutenção e serviços, ou seja, para a estrutura administrativa, chega a R$ 111.637.375,12, um percentual de 35,9% do total do orçamento. Para os programas temáticos – que são os serviços prestados pelo Município que retornam aos cidadãos -, serão R$ 199.345.727,88 (64,1%).

De acordo com a contadora Janice Antoni, será necessário esforço de todas as secretarias no sentido de economizar recursos em 2020. “Fazer orçamento não é brincadeira, é coisa séria. Estimar déficit na peça orçamentária é o mesmo que oferecer um cartão de crédito aos gestores, pois contamos com receitas que não sabemos se vão se confirmar”, alertou. Janice salientou ainda o crescimento médio da folha de pagamento do funcionalismo em R$ 4 milhões ao ano, majoração que classificou como “preocupante”. “As despesas crescem em uma velocidade muito maior do que as receitas. Caso algo não aconteça a nível de país, dificilmente veremos esta conta chegando a um equilíbrio algum dia”, declarou.

PRUDÊNCIA

Na abertura da apresentação, o prefeito Giovane Wickert lembrou que a grande maioria das cidades brasileiras passa por crise financeira e que “o orçamento precisa ser criteriosamente analisado, pois é preciso prudência e responsabilidade na divulgação dos números”. De acordo com ele, apesar dos problemas com as finanças, “o dinheiro da Prefeitura está indo para o conjunto da sociedade, tanto para a cidade quanto para o interior”. Wickert ainda disse que “é muito difícil fazer gestão, por isso precisamos, às vezes, recorrer a financiamentos que viabilizem investimentos, pois a margem é bem pequena”.

O secretário da Fazenda, Eleno Stertz, afirmou que terá missão de reduzir, em média, R$ 1,2 milhão por mês em 2020. A economia permitirá, segundo ele, “chegar ao fim do próximo ano no equilíbrio ou até mesmo no azul”. O titular da pasta lembrou que o orçamento para 2019 previa um déficit de R$ 13 milhões, aproximadamente, e que o Município vem conseguindo recuperar a projeção. “Um zero a zero no fim deste ano é possível. Temos, no momento, um desacerto de fluxo de caixa, mas vamos contar, por exemplo, com uma entrada extra do Fundo de Participação dos Municípios em dezembro”, disse.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome