Entrar para o mercado de trabalho nem sempre é fácil. Falta de oportunidade, qualificação, e experiência são os maiores empecilhos para quem deseja progredir ou iniciar em uma profissão. Com o objetivo de ampliar as chances de acesso à educação profissional, ao emprego e à renda para mulheres, o IFSul está capacitando cerca de 60 mulheres em três cursos: Assistente Financeiro, Auxíliar de Crédito e Cobrança e Almoxarife.

Os cursos são oferecidos pelo programa Mulheres Mil e estruturados em três eixos: educação, cidadania e desenvolvimento sustentável. Desta forma, além de possibilitar a inclusão social, estimula a autonomia e a inserção no mercado de trabalho. Esse foi o caso da auxiliar de frigorífico, Rejane dos Santos, 41. Ela conta que mesmo empregada, não descarta a possibilidade de buscar novas experiências.

A auxiliar acredita que a formação possa fazer a diferença caso ela fique desempregada e precise retornar ao mercado de trabalho. Além disso, Rejane cita que a capacitação para Auxíliar de Crédito e Cobrança lhe proporciona bons momentos de confraternização. “Estou aqui buscando novas amizades também, convivência com pessoas diferentes, e isso me faz feliz”.

Por meio da parceria entre os institutos federais com o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), a qualificação é ofertada desde 2012. A meta é garantir o acesso à educação profissional e à elevação da escolaridade, de acordo com as necessidades educacionais da comunidade e da região. Por trabalhar a inclusão social e profissional, o programa une diferentes faixas etárias.

Arna Maria Rodrigues, 78, também buscou na qualificação um momento de aprendizagem, convivência e novas experiências. Em seu caderno, a aposentada anota todas as informações importantes que são passadas às alunas durante as aulas, sem deixar que nenhum detalhe passe despercebido. Já estudante Bianca da Silva, 18, enfatiza que além do conteúdo programático, o curso desenvolve o lado humano das participantes. “Percebemos que todos têm dificuldades e, desta forma, aprendemos a conviver. Essa interatividade é muito importante e percebemos que podemos evoluir sempre.”

MAPA DA VIDA

O projeto também propõe disciplinas que reúnam as três turmas, com questões de autoestima, economia solidária, educação ambiental, empreendedorismo, informática, saúde, ética, exercício da cidadania, direitos da mulher e relações humanas. Entre as atividades curriculares está a produção do “Mapa da Vida”. A proposta do trabalho é possibilitar que a aluna organize sua própria história em uma cronologia que possibilite a visualização e apresentação da sua trajetória de vida, revelando fatos marcantes, rupturas, dificuldades e desafios já enfrentados.

O objetivo é desafiar o público feminino a identificar o seu potencial, tanto nos aspectos individuais quanto sociais, como destaca a coordenadora do programa Danielle Schweickardt. “Ouso dizer que o Mulheres Mil é um divisor de águas na vida de muitas mulheres, pois elas vivenciam experiências que provavelmente não teriam em outro lugar.”

Danielle conta que cada edição é uma surpresa, pois não são apenas as alunas que adquirem conhecimento, mas os professores também. “Depois do curso, queremos que elas estimulem as pessoas à sua volta, para que esta ‘corrente’ não termine com o fim das aulas”, diz. De acordo com a coordenadora, o resultado positivo é percebido de diversas formas, entre elas, a indicação do curso pelas participantes de edições anteriores.

 

Outubro Rosa

Aproveitando a campanha de conscientização do diagnóstico precoce e rastreamento de câncer de mama realizada durante todo o mês, as alunas participaram na, última semana, de um bate-papo com Grazieli Kretschmer, da página ‘Lutando com Vaidade’.

Diagnosticada com câncer metastático avançado, Grazi é conhecida por compartilhar dicas de maquiagem, beleza e cuidados às pacientes que também estão no tratamento da doença. Além disso, ela também falou sobre o seu cotidiano, citando algumas experiências e incentivando as alunas ao autocuidado e a preservação da saúde.