Avenida Ruperti Filho (entre as ruas Pedro Grunhauser e Getúlio Vargas) será um dos trechos refeitos (Foto: Débora Kist/Folha do Mate)

Mesmo sendo um trabalho importante para o futuro ambiental de Venâncio Aires e uma questão de saúde pública, as obras de esgotamento sanitário na cidade têm gerado cada vez mais reclamação e transtorno.

Nesta semana, foi anunciada a suspensão de novas aberturas em ruas, enquanto aquelas obras já iniciadas não ficarem com um acabamento, no mínimo, satisfatório. Se conviver em meio a verdadeiros canteiros de obras já estipulava um prazo de anos, talvez esse período fique ainda mais longo. Afinal, as empresas contratadas pela Companhia Riograndense de Abastecimento e Saneamento (Corsan) terão de refazer o pavimento em 13 de 17 trechos já abertos e repavimentados.

O retrabalho será sobre 76% do que já foi feito pela Encosan, de Porto Alegre, e pela Arcol, de Lajeado. Um dos trechos abrange a rua Voluntários da Pátria, uma das mais movimentadas do município e que é asfaltada. Além dela, trechos de outras 10 ruas terão de ter o ‘fechamento’ melhorado (veja box).

“Há morosidade e na conclusão do trabalho estão devendo. Serão questões pontuais para refazer, seja de desníveis ou pontos que ainda não foram repavimentados. Estão demorando para fechar e pedimos mais agilidade”, destacou o prefeito Giovane Wickert.

Rua Pedro Grunhauser, no bairro União, foi uma das primeiras a receber as obras de esgotamento sanitário e está ‘em execução’ há um ano (Foto: Débora Kist/Folha do Mate)

PRAZO

Não foi definido exatamente um prazo para que a ‘repavimentação da repavimentação’ esteja concluída, mas no dia 6 de agosto está prevista uma reunião entre Prefeitura, Corsan, Encosan e Arcol, para discutir o ritmo das obras que precisarão ser refeitas. A informação é de que três equipes de trabalho farão essas melhorias.

O número de trechos que ainda não foram liberados para abertura de valas é 74.

PONTOS QUE SERÃO REFEITOS

  • Avenida Ruperti Filho (entre as ruas Pedro Grunhauser e Getúlio Vargas)
  • Rua 1⁰ de Março (entre Voluntários da Pátria e a Conde D’Eu)
  • Rua 1⁰ de Março (entre a 13 de Maio e a Senador Pinheiro Machado)
  • Rua Barão do Triunfo (entre a 1⁰ de Março e Visconde do Rio Branco)
  • Rua Cândido de Moura (entre a 15 de Novembro e a Senador Pinheiro Machado)
  • Rua Conde D’Eu (entre a Félix da Cunha e a Emílio Selbach)
  • Rua Duque de Caxias (entre a 1⁰ de Março e a Félix da Cunha)
  • Rua Emílio Selbach (entre Jacob Becker e a Voluntários da Pátria)
  • Rua Emílio Selbach (entre a Rufino Pereira e a 15 de Novembro)
  • Rua Félix da Cunha (entre a Jacob Becker e a Voluntários da Pátria)
  • Rua Major Hermes Pereira (entre a 15 de Novembro e a Marechal Floriano)
  • Rua Pedro Grunhauser (entre a Júlio de Castilhos e a Avenida Ruperti Filho)
  • Rua Voluntários da Pátria (entre a Brígida Fagundes e a 1⁰ de Março)

LONGO CAMINHO

Atualmente, há duas empresas contratadas pela Corsan atuando na cidade. A Arcol é responsável por oito quilômetros de rede. Já a Encosan tem um mapa muito maior para percorrer: 43 quilômetros no total. Até junho, 15% das obras em execução estavam concluídas.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome