Secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Claudio Soares; prefeito de Venâncio Aires, Giovane Wickert e; a secretária municipal de Planejamento, Jalila Bohm Heinemann, formalizaram a demanda ao governador do Estado, Eduardo Leite, durante agenda em Santa Cruz (Letícia Wacholz)

Entre as pautas municipais e regionais que fizeram parte da agenda do governador Eduardo Leite nesta segunda-feira, 9, em Santa Cruz do Sul, uma é de interesse direto dos moradores de Linha Sapé: a obra de asfaltamento. Tratam-se de 5,75 quilômetros de pavimentação entre a ERS-422 e o Frigorífico Sapé.

Aproveitando a agenda do chefe do Executivo gaúcho na região, o prefeito de Venâncio Aires, Giovane Wickert, entregou documento no qual o Município solicita que o Estado ‘honre’ o convênio firmado em meados de 2018. O valor que corresponde ao governo estadual ainda não foi empenhado e este aporte financeiro é necessário para garantir a continuidade da obra que, até o momento, recebeu apenas recursos da contrapartida da Prefeitura. Na rápida conversa com as lideranças municipais, Leite garantiu empenho para liquidar os convênios firmados na gestão passada, como é o caso da obra de Sapé, que é aguardada pela comunidade há mais de 40 anos.

O convênio foi firmado entre Prefeitura e Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer). Os recursos do Daer somam cerca de R$ 4,2 milhões e contrapartida da Prefeitura é de R$ 2,3 milhões. A empresa responsável é a Avantte Engenharia e Participações. “Queremos agilizar mais a obra, principalmente encaminhar esse entendimento entre Prefeitura, Daer, Governo do Estado e com a empresa que está executando a obra”, disse o prefeito Giovane Wickert.

Ao governador Eduardo Leite, Wickert falou sobre a importância desta obra para os moradores e a destacou como parte de um importante projeto de desenvolvimento econômico de Venâncio Aires, o PAC dos Frigoríficos.

A agenda foi acompanhada também pelos secretários municipais de Planejamento e Urbanismo, Jalila Bohm Heinemann e de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo, Claudio Soares. “Hoje a gente toca a obra com o valor da contrapartida. Queremos uma reunião com o Daer, pois a sequência dependerá da liberação dos recursos do Estado”, observou Jalila.

VALORES DEFASADOS
No documento entregue a Leite, o Município lembra que a base orçamentária do projeto foi baseada na planilha de 2017. “O Daer atualiza sua planilha orçamentária base, uma vez ao ano, geralmente com referências do mês de maio, porém disponibilizado ao municípios no mês de agosto”, observa o relatório.

Esta situação levou o Município a aumentar o valor da sua contrapartida, sem alterar o valor de repasse do Daer. O aporte extra foi necessário a fim de evitar que uma licitação não tivesse êxito devido aos valores desatualizados. Além disso, na última semana, foram encaminhados documentos para formalizar um segundo Termo Aditivo.

10% DA OBRA
No resumo entregue ao governador, a Prefeitura destaca que as obras iniciaram em maio de 2019 e, desde lá, foram executados 10% da obra. Todos os gastos, até o momento, custeados pelo Município. “Salientamos a importância do aporte financeiro do Daer, pois somente com ele será possível cumprir o objeto de contrato e, além de tudo, cumprir com o compromisso firmado com a comunidade.”

A entrega do relatório ocorreu durante o evento Tá na Hora, promovido pela Associação Comercial e Industrial de Santa Cruz do Sul (ACI). A reunião-almoço, que teve o governador como palestrante, reuniu empresários e lideranças regionais. A agenda seguiu, à tarde, com uma visita à empresa Philip Morris Brasil.


Na ponta do lápis
Valor da contrapartida do Município: R$ 2.340.447,70
Valor que corresponde ao Daer: R$ 4.247.279,69


  • Moradores
    Na sexta-feira, 6, moradores da localidade participaram de uma reunião com representantes do Executivo e Legislativo. No encontro eles manifestaram preocupação com o andamento dos trabalhos e voltaram a cobrar agilidade pois, segundo eles, a obra estaria ‘parada’ há 30 dias.
    Prefeito Giovane Wickert explicou que o montante correspondente ao Município está garantido e até o momento tem sido utilizado para o andamento da obra. Segundo o gestor, as obras paralisaram no local por alguns dias por conta da morosidade da etapa que compete à empresa e ao Daer que precisam avaliar, esperar 30 dias para ver a qualidade do que foi feito e refazer alguns trechos, se necessário. “Essa demora para ver o asfalto também nos incomoda.Podem ter certeza de que nós estamos juntos nessa luta, essa obra precisa acontecer, andar”, disse o prefeito.

Empresa refaz pontos da obra

Nesta segunda-feira, 9, operários da Empresa Avantte voltaram a trabalhar na obra de asfaltamento do trecho, em Linha Sapé. Segundo a assessoria de Comunicação da Prefeitura, foram iniciados os trabalhos de correção em pontos que não alcançaram o resultado esperado pelo Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) em avaliação feita ainda em janeiro.

“Após refazer as irregularidades e a compactação do rolo, uma nova vistoria será realizada pelo Daer. Depois de passar a viga, a estatal exige o período de 30 dias para testes de rodagem no local. Se os resultados forem positivos, a empresa responsável pela obra fará a colocação da brita graduada compactada e, na sequência, a camada asfáltica da primeira etapa que corresponde a pouco mais de um quilômetro”, explica a matéria divulgada pela Prefeitura, na tarde de ontem. (Fonte: Assessoria de Comunicação da Prefeitura)

Ontem, a empresa Avantte, responsável pelas obras, iniciou a recuperação de trechos que não tiveram parecer satisfatório em avaliação do Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (Leandro Osório/ AI Prefeitura)

 

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome