Ocupação da Penitenciária Estadual de Venâncio Aires (Peva) deve demorar mais um mês para começar. Ontem à tarde, o superintendente adjunto da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), Irineu Koch, revelou que os presos devem começar a chegar só em dezembro.

O impasse se dá por questões funcionais. Até que seja resolvido quem fará a segurança interna e atuará no setor administrativo, a penitenciária segue com a portas fechadas. Havia a informação de que uma força-tarefa seria criada para dar início à ocupação da casa prisional de Vila Estância Nova. Assim, agentes penitenciários trabalhariam em regime quinzenal e receberiam diárias.

Tanto que as antigas instalações da extinta Colônia Penal Agrícola de Venâncio Aires (Cpava) estavam sendo reformadas para abrigar os agentes, que viriam de diversas cidades do Estado. Os prédios onde por 42 anos funcionou o setor administrativo, seriam transformados em alojamentos e em uma cozinha.

De concreto é o nome do primeiro diretor da penitenciária. Roque Valmor dos Santos, que era o administrador da Cpava, e está confirmado como diretor da casa prisional.

FORMADOS

Koch, que é diretor do Departamento de Segurança e Execução Penal da Susepe, explica que a burocracia impede que a Peva comece a funcionar com os agentes que estão lotados em outras casas prisionais. Ele lembra que existem 602 pessoas que concluem o curso de formação de agentes dia 2 de dezembro.

A intenção, destaca, é usar este contingente nas casas penais recém construídas, como a Peva, a Penitenciária Estadual Canoas I e o Complexo Prisional de Canoas.Os novos agentes devem começar a trabalhar assim que concluam o curso de formação. Koch menciona que, os agentes serão efetivados nas casas prisionais, iniciando a trabalhar imediatamente. “Assim, a previsão de ocupação da penitenciária é nos primeiros dias de dezembro”, acredita.