Corpo de Bombeiros atendeu as duas primeiras queimas de estufas de tabaco da atual safra. Em safras anteriores, os primeiros sinistros costumavam acontecer já no mês de outubro. Mais anormal ainda é que as duas queimas de ontem foram registradas quase que simultaneamente, mas em localidades distantes cerca de 15 quilômetros da sede dos bombeiros.

A primeira que chegou ao conhecimento da guarnição foi na localidade de Linha Harmonia da Costa, por volta das 10h40min. Os bombeiros tiveram um pouco de dificuldades para chegar até a propriedade de José Francisco Rippel, onde as chamas tomavam conta de uma estufa, anexa a outros galpões.

Foto: Alvaro Pegoraro / Folha do MateIncêndios foram quase que simultâneos
Incêndios foram quase que simultâneos

A propriedade está sendo usada pela família de Ivo João Weschenfelder e nesta safra foram plantados 20 mil pés de tabaco. Na estufa que incendiou eram curadas 500 varas, que ficariam prontas até o meio-dia.

Esta é a segunda vez que a família é vítima de um incêndio. Na primeira, o tabaco ainda estava verde e o prejuízo foi menor. Desta vez, a perda foi total. As causas do início do incêndio não foram apuradas.

ESTâNCIAA guarnição atendia o sinistro em Linha Harmonia da Costa, quando foi informada sobre um incêndio em uma propriedade em Vila Estância Nova. Para tentar controlar as chamas enquanto os bombeiros não chegavam, os moradores usaram uma bomba d’água, mas não conseguiram evitar a queima total da estufa.

O incêndio foi na propriedade de Marisa Stefens. O fogo consumiu as 680 varas que estavam secando. Este é o primeiro caso de sinistro, nos 31 anos que a família cultiva tabaco. Este ano foram plantados 70 mil pés. A dona da propriedade não soube informar qual a causa do sinistro.

Dados do Corpo de Bombeiros mostram que na safra passada o primeiro incêndio aconteceu no dia 14 de outubro e o último, dia 8 de fevereiro. No total, foram registrados 18 sinistros na safra 2014/15.

CUIDADOSApesar dos números estarem bem abaixo do que foi verificado nas safras anteriores – o recorde foi na safra 203/04, com 58 sinistros -, o major Eduardo Gener Pinheiro Medeiros reforça a necessidade dos fumicultores fazerem a manutenção nas estufas. “Manter as telas de proteção sobre a tubulação é necessário”, observou o comandante do grupamento de Venâncio Aires.

O oficial também ressalta a necessidade de não superaquecer a tubulação e ter um cuidado redobrado durante a amarração das folhas, evitando que fiquem soltas e possam cair e incendiar.

TRêS MOTORISTASO major Gener explicou o imprevisto ocorrido ontem e que atrasou o segundo atendimento. “Temos cinco motoristas lotados no quartel, mas um está em treinamento na Operação Golfinho e o outro, em tratamento de saúde. Os outros três estão em escala de 24h por 48h”, mencionou.

Por isso, ressalta o major, havia apenas um motorista de plantão. Um dos motoristas bombeiro que estava de folga foi buscado em casa e levou os colegas até Vila Estância Nova para fazer o atendimento. “Nunca nos negamos a fazer os atendimentos, mas é uma situação anormal e desta vez tivemos que buscar em casa um homem que estava de folga”, acrescentou o oficial.