“Isso é uma loucura total, uma traição muito grande”, diz Kappel sobre eleição da Mesa Diretora da Câmara

-

Nessa quinta-feira, 19, a Câmara de Vereadores divulgou, por meio da Assessoria de Imprensa, nota oficial sobre a não realização da eleição para a Mesa Diretora. Além de confirmar a escolha para o dia 30, às 19h, o documento traz a informação de que será necessário inscrever as chapas novamente, até 30 minutos antes da sessão.

“A votação estava prevista para a última sessão ordinária, que ocorreu na noite desta quarta-feira, 18. No entanto, em virtude do adiantar da hora, a reunião foi encerrada sem a eleição. Conforme previsão regimental, a sessão ordinária deve ter duração de 3 horas (art. 76.) e pode ser prorrogada pelo prazo máximo de uma hora (art. 78 do Regimento Interno). A reunião de quarta-feira iniciou às 19h e encerrou às 23h08min”, completa a nota.

A Folha do Mate conversou com o presidente do Legislativo a respeito do assunto. Confira a entrevista:

Folha do Mate – O que, afinal, aconteceu na sessão de segunda-feira, dia 18, quando deveria ter sido realizada a transição na presidência?

Eduardo Kappel – A Helena da Rosa (do MDB, candidata à presidência) não apoiou o Giovane (Wickert, prefeito de Venâncio) na eleição de 2016. Ela veio depois (para a base do governo) e sempre esteve ali na Mesa Diretora, conosco. Aí chega na hora da eleição e ela me apresenta uma chapa com a oposição, sem falar com o governo. Isso é uma loucura total, uma traição muito grande.

Mas ela já vinha sinalizando que, se seu nome não fosse acatado pelo governo, formaria com a oposição. Inclusive tinha o apoio do presidente do MDB, Paulo Mathias Ferreira, para que fizesse isso, já que o partido não abria mão da presidência.

Ela não conversou com a base, ela apresentou uma chapa com a oposição. A eleição poderia ser tranquila, com o MDB tínhamos 10 votos, mas ela usou o MDB para se eleger e abandonou quem a sustentou até agora. Enquanto estávamos no Gabinete do Prefeito articulando emendas parlamentares junto a deputados federais para salvar o hospital, ela estava nos apunhalando pelas costas e se juntando com o PDT, que não é um partido, é uma facção criminosa.

A vereadora Helena da Rosa tinha, em tese, oito votos e estaria garantida como presidente em 2020. O senhor, que também apresentou uma chapa, ficaria com sete votos. O que tem a dizer sobre as acusações de que fez uma manobra porque sabia que a derrota seria inevitável?

A Helena e o PDT só querem saber do poder. Eles não estavam preocupados com os mais de 20 projetos importantes que tínhamos para votar. Só queriam a eleição. A Helena pode, inclusive, ser mandada para a Comissão de Ética, porque eu, como presidente, tirei a eleição da Ordem do Dia, e ela, que é a secretária da Mesa, fez a leitura das chapas. Para eles, o interesse do povo não vale nada, só querem saber dos próprios interesses. Pra mim não muda nada, dia 30 vai ter a eleição e, se eu perder, perdi, não tem problema.

LEIA MAIS:

Sessão da Câmara termina sem eleição da Mesa Diretora e presidente convoca nova reunião

Câmara confirma para o dia 30 a eleição da nova Mesa Diretora

Demissões de dois secretários marcam ‘saída forçada’ do MDB do Governo Municipal

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas

Exclusivo Assinantes