(Foto: Divulgação)

Faltando pouco menos de seis meses para as eleições de 2020, a Folha do Mate foi em busca de informações a respeito dos 50 candidatos mais votados para o Legislativo no último pleito, em 2016, para ver como eles estão e quais seu planos para este ano.

Poucos mudaram de partido e quase todos estarão outra vez em busca de uma vaga na Câmara de Vereadores. Entre os parlamentares com mandato atualmente, apenas um não vai tentar a reeleição. Confira um panorama geral sobre políticos e partidos e tenha uma impressão inicial sobre o cenário eleitoral que deve ser apresentado aos venâncio-airenses em outubro, caso pleito não seja adiado.

FIQUE POR DENTRO 

1º – Gilberto dos Santos: Eleito pelo PTB, com 1.899 votos, recentemente foi para o MDB. É cotado para compor chapa majoritária, mas deve concorrer à reeleição para vereador.

2º – Izaura Landim: Eleita pelo MDB, com 1.750 votos, segue no partido. Seu nome é especulado para composição de chapa majoritária. No mínimo, concorrerá à reeleição para o Legislativo.

3º – Sandra Wagner: Eleita pelo PSB, com 1.515 votos, está na sigla e tentará a reeleição à Câmara.

4º – Eduardo Kappel: Eleito pelo Progressistas, com 1.295 votos, se transferiu para o PL. Vai concorrer à reeleição.

5º – Tiago Quintana: Eleito pelo PDT, com 1.136, segue na sigla e vai buscar a reeleição.

6º – André Puthin: Eleito pelo MDB, com 1.084 votos, permanece no partido e vai tentar se reeleger vereador.

7º – Ana Cláudia do Amaral Teixeira: Eleita pelo PDT, com 1.063 votos, continua na legenda e tentará a reeleição.

8º – Sid Ferreira: Eleito pelo PDT, com 1.051 votos, continua na sigla e vai em busca da reeleição.

9º – Ciro Fernandes: Eleito pelo PSC, com 941 votos, se transferiu para o PDT e tentará a reeleição.

10º – Helena da Rosa: Eleita pelo MDB, com 936 votos, segue no partido. Também tem o nome ventilado para compor chapa majoritária. No mínimo, tentará mais um mandato na Câmara.

11º – Adelânio Ruppenthal: Eleito pelo PSB, com 917 votos, está na legenda, mas não vai tentar um novo mandato. Pretende ser o coordenador da campanha à reeleição do prefeito Giovane Wickert (PSB) e do vice Celso Krämer (PTB).

12º – Arnildo Camara: Eleito pelo PTB, com 909 votos, assumiu como secretário de Habitação e Desenvolvimento Social. Deixou a pasta na semana passada, continua no partido e buscará mais um mandato no Legislativo, para onde retornou.

13º – Ezequiel Stahl: Eleito pelo PTB, com 906 votos, segue na sigla e vai tentar a reeleição ao Legislativo.

14º – Zé da Rosa: Eleito pelo PSD, com 813 votos, se transferiu para o Republicanos. Já confirmou que vai concorrer à reeleição.

15º – Cleiva Heck: Embora tenha ficado entre os 15 candidatos mais votados – obteve 807 votos, pelo PDT -, não conseguiu se reeleger. Recentemente se transferiu para o PSB, assumiu cargo em comissão (CC) na Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo e vai concorrer a uma vaga na Câmara.

16º – Nelsoir Battisti: Eleito pelo PSD, com 776 votos, segue na legenda. É ventilado para compor chapa majoritária, mas deve concorrer à reeleição ao Legislativo.

17º – Vilson Gauer: Fez 760 votos pelo PT, número insuficiente para garantir a sua reeleição. Continua no partido, é cotado para compor chapa majoritária e, no mínimo, tentará uma vaga na Câmara.

18º – Renato Gollmann: Fez 679 votos pelo PTB e assumiu como secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos. Deixou a pasta na semana passada para concorrer a uma vaga na Casa do Povo.

19º – Clécio Espíndola, o Galo: Fez 641 votos pelo PTB e, como Arnildo Camara assumiu uma secretaria, ficou no Legislativo até o mês passado. Segue na legenda e vai concorrer a vereador.

20º – Elstor Hackenhaar: Fez 640 votos pelo MDB, chegou a assumir na Câmara, mas acabou se transferindo para o PTB, para permanecer como cargo em comissão (CC) da Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos. Vai tentar se eleger vereador.

21º – Diego Wolschick: Fez 634 votos pelo PDT, mas logo depois foi para o PTB. Assumiu como assessor parlamentar na Câmara e vai buscar uma cadeira em 2020.

22º – Nery da Silveira: Fez 615 votos pelo PDT, mas acabou se transferindo para o PTB. Assumiu cargo em comissão (CC) na Secretaria de Desenvolvimento Rural e vai concorrer a uma vaga no Legislativo.

23º – Alessandra Ludwig: Fez 612 votos pelo PDT e chegou a assumir como vereadora. Também exerceu função de assessora parlamentar no Legislativo e vai buscar uma vaga de titular este ano.

24º – Ronald Artus: Fez 605 votos pelo PDT e segue na legenda, mas não tem certeza se concorrerá a vereador este ano.

25º – Fredinha: Fez 541 votos pelo PT e segue na legenda. Vai concorrer a vereador.

26º – João Stahl: Fez 537 votos pelo PDT, número insuficiente para garantir a reeleição. Se desfiliou do partido e diz que não concorre mais a cargos eletivos.

27º – Tata Haussen: Fez 515 votos pela Rede Sustentabilidade e chegou a assumir bom tempo como vereadora, já que o eleito Nelsoir Battisti (PSD) foi para a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo. Depois, se transferiu para o PTB e foi nomeada diretora geral da Câmara, cargo que ocupou até o fim de 2019. Vai concorrer a uma cadeira na Casa do Povo.

28º – Paulinho Tirelli: Fez 510 votos pelo PSB e assumiu a capatazia de Vila Arlindo. Continua no partido e vai concorrer a vereador este ano.

29º – André Kaufmann: Fez 505 votos pelo PTB e assumiu como secretário de Desenvolvimento Rural. Deixou a pasta na semana passada para concorrer a uma vaga na Câmara de Vereadores.

30º – José Cândido Faleiro Neto: Fez 451 votos pelo PT, número insuficiente para garantia a reeleição. Permanece na legenda e vai concorrer a uma cadeira no Legislativo.

31º – Benildo Soares: Fez 429 votos pelo PRB, que mudou o nome para Republicanos. Assumiu a Junta de Serviço Militar (JSM), de onde se exonerou na terça-feira, 7. Vai concorrer a uma vaga na Câmara de Vereadores.

32º – Ademar Gisch: Fez 420 votos pelo PTB e chegou a assumir como vereador. Recentemente, se transferiu para o PDT. Não vai concorrer para abir espaço para o filho, Samuel Gisch, que também trocou o PTB e o cargo em comissão (CC) que tinha na Administração pelo PDT.

33º – Vilmar Bender: Fez 403 votos pelo PTB e assumiu como assessor da Secretaria de Infraestrutura e Serviços Público, o segundo cargo na hierarquia da pasta. Permanece no partido e, com a saída de Renato Gollmann, será a referência na secretaria pelos próximos três meses, pois caso decida concorrer, precisa deixar a função até 90 dias antes da eleição.

34º – Rudemar Glier: Fez 402 votos pelo MDB e chegou a assumir como vereador na atual legislatura. Continua na legenda e vai concorrer mais uma vez.

35º – Rodrigo Garin, o Rodrigo VT: Fez 388 pelo MDB e chegou a assumir como vereador. Mais tarde, se transferiu para o PSD. Vai tentar uma cadeira no Legislativo.

36º – Chico Rech: Fez 373 votos pelo PSD e chegou a assumir como vereador. Se transferiu para o Democratas e seu nome será colocado à disposição para composição majoritária. Vai, no mínimo, concorrer a uma vaga na Câmara.

37º – João Schimuneck: Fez 363 votos pelo PDT e continua filiado à sigla. Deve concorrer mais uma vez ao Legislativo.

38º – Henrique Silva: Fez 362 votos pela Rede Sustentabilidade e assumiu como assessor da Secretaria de Cultura e Esportes, o segundo cargo na hierarquia da pasta. Mais tarde, trocou de função com Saul Zart (PSB) e passou a ser secretário. Se transferiu para o PSB e deixou a secretaria na semana passada, para concorrer a vereador.

39º – Silvia Schirman: Fez 347 votos pelo PCdoB. Recentemente, se transferiu para o PTB e vai buscar uma cadeira na Casa do Povo.

40º – Eligio Weschenfelder, o Muchila: Fez 346 votos pelo PSB e assumiu como coordenador do Parque do Chimarrão. Recentemente, deixou a função para exercer cargo na diretoria do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Venâncio Aires. Vai concorrer a vereador.

41º – Paulinho do Vale: Fez 339 votos pelo PTB e permanece na legenda, pela qual vai buscar uma vaga no Legislativo.

42º – Luiz Thiesen, o Rato: Fez 334 votos pelo PSB e chegou a assumir como vereador. Permanece na legenda e vai concorrer a uma vaga na Casa do Povo.

43º – Cassio Storch: Fez 333 votos pelo PSDB e chegou a assumir como vereador. Deixou o ninho tucano e vai tentar uma vaga de titular na Câmara pelo Cidadania.

44º – Willian Schneider: Fez 323 votos pelo PSB e chegou a assumir como vereador. Continua na legenda e vai concorrer a uma cadeira no Legislativo.

45º – Pedro Junior: Fez 322 votos pelo PSB e chegou a assumir como vereador. Segue na sigla e tentará uma vaga de titular na eleição deste ano.

46º – Professora Patrícia: Fez 317 votos pelo PPS e está no partido, que agora se chama Cidadania. Vai concorrer mais uma vez a vereadora.

47º – Arcelio Wenzel: Fez 311 votos pelo PSDB e continua filiado ao partido, mas ainda não decidiu se vai concorrer em 2020.

48º – Rogério Padeiro: Fez 301 votos pelo PDT, segue no partido e deve concorrer à Câmara mais uma vez.

49º – Doraci Vedoia: Fez 297 votos pelo PTB e continua no partido. É cargo em comissão (CC) da Secretaria de Desenvolvimento Rural. Vai concorrer a uma vaga na Casa do Povo.

50º – Jandir da Silva: Fez 292 votos pelo PCdoB. Em março, se transferiu para o PSB. É presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil e Mobiliário de Venâncio Aires. Vai tentar uma cadeira no Legislativo.

• Diana de Azeredo fez 287 votos pelo PSB e foi a 51ª candidata mais votada na eleição de 2016. Ela chegou a assumir como vereadora, se desfiliou do partido e não vai concorrer a cargo eletivo.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome