Foto: Carlos Dickow / Folha do MateEduardo Kappel pode instituir turno único por meio de Resolução de Mesa Diretora, mas tenta sensibilizar os colegas para que apoiem a iniciativa. Maioria, no entanto, é contrária à medida
Eduardo Kappel pode instituir turno único por meio de Resolução de Mesa Diretora, mas tenta sensibilizar os colegas para que apoiem a iniciativa. Maioria, no entanto, é contrária à medida

O presidente da Câmara de Vereadores de Venâncio Aires, Eduardo Kappel (Progressistas), avalia a possibilidade de instituir no Legislativo o turno único até o fim deste ano. Ele confirmou a intenção após a sessão desta segunda-feira, 4, a primeira de 2019 sob seu comando. De acordo com Kappel, a medida seria interessante no sentido de reduzir custos com água, energia elétrica, papel, telefone e materiais de limpeza e higiene. De acordo com o progressista, os trabalhos administrativos podem ser concluídos de maneira satisfatória no período ininterrupto de seis horas, entre as 7h30min e as 13h30min.

Se ainda não é certo que o turno único será adotado durante toda a gestão de Kappel, para o mês de fevereiro ele já definiu, por meio de uma Resolução de Mesa, que a medida está valendo. “Poucas são as pessoas que vêm até a Câmara para procurar alguma ajuda ou esclarecimento. Costumam ir na Prefeitura, que é onde podem ter a maioria das informações que buscam. Portanto, entendo que, em razão da crise financeira e da necessidade de reduzir nossos custos, o turno único é importante”, argumentou.

Segundo o comandante do Legislativo, a meta é economizar entre R$ 35 mil e R$ 50 mil, durante o ano, com a medida, para aplicar em melhorias de paradas de ônibus, limpeza de áreas verdes pelos bairros e preparação de campos de futebol e espaços de lazer para as comunidades. “Temos notícias de que filhos de ex-atletas de futebol estão se destacando no basquete, por exemplo. Queremos dar condições para a prática de vários esportes nestes espaços comunitários”, disse Kappel. O grande desafio dele será convencer os colegas, pois a maioria não gostou da ideia. Os parlamentares temem que a comunidade entenda a adoção do turno único como redução do período de trabalho, o que não pegaria bem.

SESSÃO – Na primeira sessão ordinária do ano, dois projetos de autoria do Executivo, que deram entrada na Casa com pedidos de urgência, foram aprovados por unanimidade. O Projeto de Lei número 6/2019 prevê a contratação emergencial de professores, por meio de processo seletivo simplificado – três profissionais de Pedagogia que terão de cumprir carga de 30 horas semanais, com remuneração de R$ 2.573,32. Já o Projeto de Lei número 7/2019 autoriza a contratação de cinco monitores infantis, com remuneração de R$ 1.599,41. Em ambos os casos, o contrato é de seis meses, prorrogável por igual período.

O horário normal de funcionamento da Câmara de Vereadores é das 7h30min às 11h30min e das 13h às 17h. Se o turno único for adotado, passará a ser das 7h30min às 13h30min, com exceção dos dias de sessões ordinárias, solenes e extraordinárias, quando será das 12h às 18h.