Apoio ao reflorestamento de ervais incentiva que os produtores permaneçam na cultura

-

A erva-mate é uma cultura de diversificação na propriedade do casal Luis Carlos e Luciane Coutinho Bergenthal. É na divisa entre Linha Herval e Vila Palanque que eles se dedicam no cuidado de cerca de dois hectares. A cada ano, investem no reflorestamento com novas mudas.

“A gente sempre está renovando o erval. Herdamos uma parte do meu pai e a outra área a gente está melhorando. Temos um projeto junto da Emater para dois hectares e, desde o ano passado, participamos do edital da Prefeitura”, comenta o produtor.

Em 2020, o casal participou do Programa Municipal de Reflorestamento na Propriedade Rural, da Prefeitura de Venâncio Aires, e foi contemplado com 400 mudas de erva-mate. “A seca judiou um pouco, nem todas se desenvolveram como deveria. Por isso, este ano, vamos participar de novo.” A família fez a inscrição no edital que encerrou ontem, dia 11.

Desde que iniciaram na atividade por conta – pois antes do casamento ambas as famílias já trabalhavam com a cultura – , Luis e Luciane plantam novas mudas. “Antes de nos habilitarmos ao programa, todo ano a gente já ia plantando novas mudas e renovando o erval. Isso faz uns 30 anos. Agora, com esse apoio, ficou mais fácil para o agricultor”, detalha Luciane.

Conforme o secretário municipal de Desenvolvimento Rural, Gilberto dos Santos, foram disponibilizados R$ 30 mil para subsídio na aquisição e no transporte de mudas de erva-mate aos produtores interessados. “Esse programa vem para incentivar a diversificação e serve de apoio aos nossos agricultores. A Prefeitura ajuda com 50% e, dessa forma, consegue apoiar o produtor de erva”, frisa Santos.

Cada produtor inscrito que se enquadrar no programa terá o direito de adquirir até mil mudas de erva-mate e a contribuição do Poder Público será de R$ 0,75 por muda de erva-mate.

Incentivo

De acordo com o técnico agrícola do escritório municipal da Emater/RS-Ascar, Alex Davi Gregory, o programa de reflorestamento incentiva novas lavouras de erva-mate no município e auxilia, principalmente, na reestruturação das lavouras existentes. “A Emater contribui com a assistência técnica, desde a implantação da lavoura até o manejo e as podas, mas é muito importante o apoio do Poder Público, que entra com recursos financeiros. O somatório dessas frentes é um estímulo maior para o produtor rural que cultiva a erva-mate”, considera.

Crescimento

Uma mudinha implantada em um erval, segundo o produtor rural, leva cerca de quatro anos para o primeiro corte e de 10 a 12 anos para se tornar uma árvore adulta com produção total.

“A Capital do Chimarrão está ficando sem a erva-mate. Precisamos estar atentos a isso. Esse programa vem para fortalecer o nome da cidade e incentivar que os produtores apostem e fiquem na cultura.”

LUIS CARLOS BERGENTHAL

Produtor de erva-mate

notícias rural Folha do Mate

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas

Exclusivo Assinantes