Busca de certificação para ampliar as vendas em território brasileiro

-

O sonho é ultrapassar as barreiras estaduais e comercializar o Mel Serrano em todo o país, mas para isso, Cléria Posselt Schlosser, 53 anos, proprietária da agroindústria familiar Casa do Mel Serrano, de Vila Deodoro, está buscando um novo selo para o produto, o que irá garantir a venda em todo o território brasileiro.

Em 2006, quando a agroindústria foi fundada, a família comercializava o mel no município. Após a conquista do selo Sabor Gaúcho, em 2017, as vendas foram ampliadas para todo o Rio Grande do Sul, com o selo Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte (Susaf).

“Queremos ampliar nosso mercado e, com isso, pretendemos agregar mais valor ao nosso produto. Por isso, estamos encaminhando, através da Inspetoria Veterinária de Venâncio Aires, o selo Sipoa”, diz Vilson Schlosser, 54 anos, esposo de Cléria.

Casal iniciou com a agroindústria em 2006, em Vila Deodoro (Foto: Roni Müller/Folha do Mate)

O selo Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sipoa) está sendo buscado pela agroindústria Casa do Mel Serrano, que faz parte da Associação Venâncio-Airense de Apicultores (AVA), e também pelas outras duas agroindústrias familiares de mel integrantes do grupo: a Casa de Mel Schwendler e a agroindústria de Luciano Quintana Carvalho.

O Serviço de Inspeção Municipal (SIM), relacionado à Secretaria de Desenvolvimento Rural, é responsável pela inspeção e fiscalização da produção industrial e sanitária dos produtos de origem animal, na qual se enquadram as agroindústrias familiares do mel. Conforme o chefe do escritório local da Emater-RS/Ascar, Vicente Fin, a Inspetoria Veterinária do município, por meio do SIM, está reunindo a documentação necessária para indicar as agroindústrias do mel para convênio com o selo que permite novos mercados.

Mel no mercado nacional

Com o selo Sipoa, a Casa do Mel Serrano pretende aumentar o mercado de vendas e, com isso, ampliar e modernizar a agroindústria. “Se a nossa produção irá aumentar, precisamos investir em novas máquinas, mais modernas e automatizadas”, projeta Schlosser. Atualmente, o casal tem cerca de 300 colmeias e trabalha com o mel multiflor. “São lotes diferentes de floração. Temos o mel suave, que são as floradas das frutas, e o mel silvestre, que tem florada da mata nativa”, explica o apicultor.

A maioria das colmeias está situada na região de Vila Deodoro e localidades vizinhas. “Temos muitas caixas em regiões de mata nativa e, com isso, conseguimos ofertar diferentes lotes de floração para o consumidor, o que varia de acordo com o gosto e preferência dele”, explica. A família costuma participar de feiras e, há poucos dias, retornou da 44ª Expointer. “A gente valoriza muitos esses momentos de feiras, pois sempre conseguimos a abertura de novos caminhos. A Expointer, por exemplo, é um período de vendas na feira e pós-feira. Avaliamos isso de forma muito positiva”, pontua Cléria.

Do lazer até o negócio

Trabalhar com o mel era um hobby para Vilson desde muito jovem. Com 10 anos, ele recorda que, em Linha Leonor, localidade na qual nasceu, já se fascinava pelo ‘trabalho’ das abelhas. “Comecei a ter minhas caixinhas, mas sempre era algo paralelo”, conta.

Antes de 2006, Schlosser se dedicava ao hobby apenas aos fins de semana. “Tinha épocas que eu e a Cléria passávamos sábado e domingo tirando mel. Mas não imaginávamos que um dia teríamos uma agroindústria”, relata.

Há 15 anos, o casal decidiu olhar para o mel de outra forma. “Abrimos nossa agroindústria e passamos a nos dedicar a isso. Há dois anos, de forma mais intensa. Agora, conseguimos dedicar de forma integral nosso dia para trabalhar com o mel”, frisa o apicultor.

Hoje, o mel é o trabalho principal da família e, além do selo Sipoa, as metas não param por aí. “Queremos trabalhar fortemente a questão turística. Estamos inseridos numa rota muito boa. Quem sabe a gente ainda aposta muito mais como um ponto turístico, um ponto de parada para quem vem até Vila Deodoro”, afirma Cléria.

notícias rural Folha do Mate

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas

Exclusivo Assinantes