Família Schlindwein no local onde serão erguidos os novos galpões de aviários
Família Schlindwein no local onde serão erguidos os novos galpões de aviários (Foto: Alvaro Pegoraro/Folha do Mate)

Da profissão de motorista de ônibus, para a lida nos aviários. O desejo de voltar para o interior e a garantia de seguir com o negócio dos pais motivou Marcus Schlindwein, 47 anos, e a família, há dois anos, a trocar a rotina da cidade pelo campo. Mas, para voltar e continuar com a função, ele percebeu a necessidade de ampliar e modernizar os galpões.

Há pelo menos oito meses uma ‘pastinha’ acompanha o agricultor em baixo do braço. Nela, ele guarda todos os documentos e a planta dos dois novos aviários que irá construir. “O processo é longo. Iniciamos com o orçamento de equipamentos, licenciamento ambiental, e tudo com o objetivo de agilizar ao máximo”, explica. Depois veio o auxílio da Emater-Rs/Ascar que, ao lado do produtor, elaborou o projeto de expansão e diversificação para que Marcus pudesse se adequar aos editais de diversificação da Prefeitura de Venâncio Aires.

Na última semana, o resultado do edital confirmou o nome de Marcus na lista dos produtores aprovados para receberem o auxílio do serviço de horas-máquinas no programa de diversificação de culturas e expansão de atividades agrícolas e pastoris. Agora, as estacas já demarcam o espaço que receberá os dois galpões de 150 metros de comprimento por 16 metros de largura, para o alojamento de frangos.

A família, que reside em uma propriedade de 12 hectares na comunidade de São Miguel, na Vila Santa Emília, há 30 anos iniciou com a avicultura. Na época, os pais de Marcus, Maria e Irineu Schlindwein, 67 e 71 anos respectivamente, optaram pela diversificação ao lado do rebanho leiteiro. “A gente foi na roça, cortou umas árvores e fez os galpão, tudo no braço”, recorda Maria. Hoje os galpões que recebem, a cada 30 dias, 23 mil pintos que são exportados para a Ásia, são automatizados. “No início a gente tinha que levar a ração de carrinho. Hoje ela corre pelos canos”, lembra Irineu com a satisfação de ver o filho continuando o negócio da família.

O galpão construído pelos pais de Marcus durou, no mínimo, 30 anos, e ainda está em condições de uso, porém, os ventiladores e a fornalha ainda não são automatizados e o espaço dificulta uma produção maior nos aviários. “Com a construção dos novos galpões vamos receber no mínimo 90 mil frangos a cada 30 dia. Aqui no pai, o galpão tem capacidade para 23 mil. Eu percebi que para continuar e ter renda precisava ampliar e modernizar”, acentua Marcus.

Ao lado da esposa Taís e das filhas Isadora e Valentina, Marcus pretende, nos próximos meses, iniciar a criação de frangos nos novos galpões. “A gente optou em evoluir para não parar no tempo e continuar com o negócio da família. Agora a gente espera a terraplenagem que conseguimos com o apoio da Prefeitura, via editais, e a aprovação de crédito no BNDES.”

Marcus ao lado da esposa Taís e filhas Isadora e Valentina na propriedade em São Miguel na Vila Santa Emília
Marcus ao lado da esposa Taís e filhas Isadora e Valentina na propriedade em São Miguel na Vila Santa Emília (Foto: Alvaro Pegoraro/Folha do Mate)

Editais para diversificar

Através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural, a Prefeitura possibilitou, no início de maio, a inscrição de projetos de diversificação. Com auxílio da Emater na execução dos projetos, oito produtores foram beneficiados com a liberação de até 100 horas-máquinas para a terraplenagem da área que receberá o novo empreendimento.

Conforme o secretário de Desenvolvimento Rural, Gilmar Mohr, os oito projetos de diversificação deste ano são de construção de novos aviários. “A cada ano a gente percebe o interesse dos produtores em se adequarem aos editais de diversificação e o quanto isso é importante para Venâncio. A secretaria vem atuando fortemente nas horas-máquinas de terraplenagem, afinal, esse é o início da obra”, salienta Mohr, ao lembrar que os projetos de diversificação garantem retorno financeiro via impostos ao Município.

LEIA TAMBÉM: 

Robôs: os responsáveis pela ordenha

‘O Agroecólogo’: Jovem aposta nas redes sociais para divulgar ações ecológicas

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome