Nos guichês, a movimentação e a busca de medicamentos é intensa. Por mês, mais de 1,3 milhão itens são entregue (Foto: Leandro Osório/AI Prefeitura)

A falta de medicamentos distribuídos na Farmácia Municipal de Venâncio Aires, noticiada no dia 7 pela Folha do Mate, deve ser regularizada em março. O prazo foi anunciado pela Prefeitura de Venâncio Aires, nesta semana. “A previsão de normalização está prevista para a primeira quinzena de março, visto que a última semana deste mês teremos o Carnaval”, observa a secretária interina de Saúde, a procuradora Jurídica Marion Kist.

Na semana passada, a Administração Municipal encaminhou a compra dos 16 itens faltantes, através de um pregão eletrônico. Destes, segundo informado pela assessoria de Comunicação da Prefeitura, ainda há a falta de entrega de oito medicamentos. “O que representa 6% no universo de 145 itens disponibilizados na Farmácia”, informou a Prefeitura.

Segundo Marion, este atraso não é um caso isolado. “Isso acontece todo o começo de ano devido às festas de final de ano, férias coletivas nos meses de dezembro e janeiro e impacta não apenas em Venâncio, mas em outras cidades também”, reforça. A secretária interina destaca que a equipe da Farmácia Municipal se organiza para evitar esse atraso, porém, também é necessário garantir um equilíbrio entre estoque e a validade dos remédios. “Muitas dessas distribuidoras, para entregar em tempo, aceitam novos pedidos até o dia 5 de dezembro, retomando somente após o dia 10 de janeiro, impactando negativamente os estoques dos municípios”, lamenta.


“Fiquei uma hora lá. Sentei e fiquei observando. Não vi ninguém nesta uma hora saindo sem remédios.”

MARION KIST – Secretária interina de Saúde e procuradora-geral


MATÉRIA-PRIMA

Outro fator destacado pela secretária interina é a falta de matérias-primas que integram a composição dos remédios na hora da fabricação. Este é o motivo, por exemplo, para a falta do carbonato de lítio, citado na reportagem da Folha na última semana. Este medicamento está entre os oito itens faltantes e segundo trecho de e-mail da fabricante, divulgado pela Prefeitura, a demora na entrega é a “indisponibilidade de matéria-prima (ingrediente ativo) no fornecedor”. A informação foi enviada pela Hipolabor Farmacêutica Ltda. “Vale lembrar também que, ainda que este item integre a Farmácia Básica, ele é de responsabilidade do Estado”, observa Marion. A expectativa é de que a distribuição deste medicamento seja regularizada em abril.

VISITA IN LOCO 

Na quarta-feira, 12, a secretária iterina de Saúde, a Procuradora Jurídica Marion Kist, esteve na Farmácia Municipal que funciona junto à Unidade de Saúde Central de Venâncio Aires para verificar ‘in loco’ a situação e acompanhar o atendimento em um dos horários de pico.

Além de verificar o estoque e variedade de itens distribuídos, a secretária interina recebeu dados internos que evidenciam a importância do serviço à população.

Conforme a Prefeitura, a farmácia atende cerca de 4,5 mil pessoas por mês, totalizando mais de 1,3 milhão de itens entregues. Por ano são 16 milhões de itens básicos entregues para a população. Além dos medicamentos, são distribuídos, também, cerca de 15 produtos hospitalares.

IMPORTANTE 

A Prefeitura observa que os balcões de atendimento dividem-se entre Estado e Município, onde a população realiza a retirada de acordo com a prescrição médica.

O número de pessoas atendidas por mês na Farmácia Municipal é 4,5 mil.

*Com informações da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Venâncio Aires.

COMPRA DE MEDICAMENTOS 

2018 – R$ 1,4 milhão
2019 – R$ 1,6 milhão
2020 – R$ 1,9 milhão (previsão)

Fonte: Prefeitura de Venâncio Aires

 

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome