(Foto: Alvaro Pegoraro/Folha do Mate)

Funcionários do Hospital São Sebastião Mártir (HSSM) vão ajuizar uma ação coletiva contra a instituição. A autorização para esse encaminhamento foi dada ao Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Santa Cruz do Sul e Região (Sindisaúde) na segunda-feira, 16, durante assembleia realizada na Associação dos Funcionários do HSSM.

As informações são do presidente do sindicato, José Carlos Haas. Segundo ele, a motivação é o impacto de algumas decisões da administração do hospital em relação a salários. Na prática, conforme Haas, os funcionários trabalham 36 horas por semana e tinham direito a folga. Como há um plantão excedente, eles também recebiam 12 horas extras. “Existe um acordo coletivo, mas que não vem sendo respeitado. Se não se compensa com folga, tem que ser remunerado. Não está certo receber menos e trabalhar mais. Na folha, isso são entre R$ 500 e R$ 600 a menos”, destacou.

Ainda conforme o presidente do Sindisaúde, o HSSM estaria remunerando apenas os feriados que caem em domingos. “Precisamos alinhar isso.”

José Carlos Haas relatou que a direção do hospital já foi informada sobre essa ação coletiva. Sobre possibilidade de greve, o presidente entende que seria “algo além da conta”, mas não descartou protestos. “Queremos sentar com a empresa para rediscutir esses pontos, para diminuir o impacto à categoria. Se isso não for possível, haverá protestos sim, para que a comunidade veja o que está acontecendo.”

13º SALÁRIO

Embora a folha de pagamento de novembro já tenha sido quitada, Haas reiterou a insatisfação com o anúncio da diretoria sobre o atraso com a segunda parcela do 13º salário, que deveria ser depositada até a próxima sexta-feira, 20. “Isso também deixou o pessoal insatisfeito.”

Conforme publicado pela Folha do Mate nesta terça-feira, 17, o presidente do hospital, Luciano Spies, informou que não há previsão de pagamento dessa parcela. Spies informou ainda que três emendas, indicadas em 2018, quando confirmados os recursos, devem ser usadas para acertar parte dos salários dos médicos, que estão atrasados.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome