Criminoso foi surpreendido em um sítio no interior de Amaral Ferrador (Foto: Brigada Militar/Divulgação)

Uma operação integrada da Polícia Federal (PF), Polícia Civil (PC) e Brigada Militar (BM) resultou na prisão, na manhã de quarta-feira, 4, de um dos maiores assaltantes de bancos do Rio Grande do Sul. Ivo Francisco dos Santos Assis, de 43 anos, conhecido pelo apelido de Ganso Baio, foi detido em um sítio no município de Amaral Ferrador, na região Sul do estado, onde estava escondido com alguns familiares. Ele está condenado a 39 anos de prisão e era procurado pelas autoridades policiais desde o ano de 2012.

De acordo com o titular da Delegacia de Roubos (DR) do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), delegado João Paulo de Abreu, Ganso Baio é réu em processo relacionado a um roubo a banco em São Sepé, “e também há indícios mais contundentes de que tenha participado de ataque a uma agência em Dom Feliciano”. O delegado lembra que o criminoso seria resgatado por um grupo que furou uma barreira policial em Cristal, no mês de julho, quando houve tiroteio e três pessoas foram mortas.


“É um bandido muito meticuloso, estrategista e extremamente violento. Costuma atuar com firmeza e, dessa forma, passa confiança a outros criminosos, que acabam se associando à prática de roubos.”

JOÃO PAULO DE ABREU – Titular da Delegacia de Roubos do DEIC


Investigações em curso também levantam suspeitas de participação do bandido em roubos a banco em Carlos Barbosa, Progresso, Pouso Novo, Espumoso, Encruzilhada do Sul, Boa Vista do Buricá e Boqueirão do Leão. “É improvável”, segundo Abreu, que Ganso Baio tenha alguma participação em ataques às agências do Sicredi em Vale Verde e Monte Alverne. No entanto, conforme o delegado, não se descarta que o grupo que praticou os roubos tenha relação com o assaltante, em função do modo de operação utilizado pela quadrilha. “Em alguns ataques, tivemos uso de explosivos. Já em outros, os criminosos usaram a tática da formação de cordão humano. As investigações podem levar a evidências”, comenta.

INFORMAÇÕES

Para o tenente-coronel Douglas Soares, comandante do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Brigada Militar, tirar Ganso Baio de circulação é muito importante não apenas pelo fato de coibir novas investidas a agências bancárias, mas também evitar troca de informações entre quadrilhas no Rio Grande do Sul. “Conseguimos chegar ao objetivo a partir de uma intensa troca de informações entre os órgãos de segurança. Ainda apreendemos alguns itens no sítio onde ele estava que podem levar a relações com ataques pelo estado”, diz Soares, lembrando que há inquéritos sobre assaltos ainda em aberto.


“Tomamos todo o cuidado, na ação de hoje (ontem), para que as pessoas que nada têm a ver com a conduta criminosa dele (Ganso Baio), corressem qualquer risco. Ele não teve chance de reação.”

DOUGLAS SOARES – Comandante do Bope


Ação integrada entre PF, PC e BM resultou na prisão do assaltante (Foto: Brigada Militar/Divulgação)

EXPERTISE

O diretor do Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC), delegado Sander Cajal, afirma que, detido, Ivo Francisco dos Santos Assis, o Ganso Baio, “deixa de levar adiante a sua expertise que tem em relação a ataques a bancos”.

De acordo com o policial, “ele é um multiplicador de ações criminosas, mantém intensa troca de informações e passa o know how a outros líderes de quadrilhas”. A utilização da modalidade do ‘novo cangaço’, com explosivos, formação de cordões humanos e reféns, é característica do homem preso na manhã de ontem.

Ivo Francisco dos Santos Assis, o Ganso Baio, é apontado também como mentor de ataques a carros-fortes e tem passagens policiais por receptação, furto e porte ilegal de arma de fogo.

LEIA MAIS: Políticos de Venâncio escapam de golpe

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome