Ave!

Entre um buraco e outro desta vida de ruas e almas perfuradas na rotina, uma historinha inspiradora e atual sobre como fazer as coisas de um jeito diferente e poder se danar para o resto. Vamos lá: o mestre Hermeto Pascoal completa 83 anos no próximo sábado. A idade avançada não altera em nada sua lucidez ou genialidade. Desde a adolescência, toca e produz música de qualquer tipo que se possa imaginar. Amplia via métodos inimagináveis as dimensões e concepções do que é um instrumento musical. Faça uma consulta rápida ao YouTube e, mesmo nesta era de efemeridades das redes sociais, reescreva todos os seus conceitos musicais sem fazer força.

Tiro de meta

Através da música ou não, Hermeto sempre surpreende. Para melhor. Em entrevista desta semana ao site Tenho Mais Discos Que Amigos!, o compositor explicou parte de sua singular filosofia quanto aos direitos autorais de sua – gigantesca – obra. Mais do que um chute, bateu um tiro de meta na bunda dos atravessadores oficiais. E facilitou o acesso ao que possui de mais precioso – sua música. Postura que adota desde 2008, quando a internet ganhava terreno dia a dia na vida das pessoas e muitos estavam perdidos sobre como lidar com o assunto – alguns estão até hoje. Vejamos, pois.

É só gravar

“O dinheiro é a desgraça do mundo. Quem ganha mais parece que tá com um câncer da alma. E eu não quero entrar nessa. Nunca quis desistir de muita coisa para ganhar muito dinheiro. Sempre me pareceu que seria o dinheiro que iria me ganhar. Eu não recebo direito autoral. Ele sempre ficava na mão de quem deveria me pagar e não chegava em mim. Aí quando algum coitadinho queria gravar, cobravam mil reais. Por isso eu liberei a gravação. O que quiserem gravar meu, é só gravar. Se precisar assinar algo, eu assino também”.

Nada ao acaso

O título do disco A Música Livre de Hermeto Pascoal, de 1973, não é nada por acaso. Como se não bastasse, em seu site, o velho albino ainda disponibiliza uma cacetada de álbuns para streaming pelo Spotify. Ou seja: contraria toda e qualquer lógica de restrição ao acesso à música. Pelo contrário: faz o possível para facilitar sua chegada ao público e a outros músicos repletos de desejo de aprender com as peripécias impensáveis do mestre.

Três acordes

# É preciso parafrasear e subverter a lógica de Parreira, o técnico tetracampeão mundial de futebol em 94.

# Às vésperas da malfadada Copa de 2014, disse Carlos Alberto que a CBF é um exemplo de funcionalidade do Brasil. Era um prenúncio do que estava por vir…

# Desculpe, Parreira, mas é claro que não: é Hermeto Pascoal, verdadeiramente, o Brasil que funciona. E como com quase tudo que assim é neste país, a gente liga muito menos pra ele do que deveria.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome