Chama Crioula: a dez dias do acendimento

Cavalgadas em busca da Chama Crioula, neste ano, seguem a Tenente Portela (créditos: Alvaro Pegoraro/Arquivo FM

Enquanto o município de Tenente Portela se empenha para bem receber os visitante no acendimento da Chama Crioula, que ocorrerá nos dias 16 e 17 de agosto, as cavalgadas também começam a tomar forma, pelo Rio Grande afora.

Embora, tudo comece com muita antecedência, com o reconhecimento da trajetória e detalhes de viagem – para homens e animais – é a partir de agora que os apetrechos começam a ser ‘ensacolados’ e os cavalos recebem ‘aquele trato’, pra lá de especial.

Afinal, os dias e a distância serão companheiros, e tudo precisa sair de acordo com os objetivos: acender o candeeiro e retornar às raízes para distribuir as centelhas da Chama Crioula – com todo o orgulho gaúcho.

LEGADO

Se todos os anos, gaúchos e gaúchas percorrem quilômetros renovando a tradição, este ano, com a temática ‘Vida e obra de Paixão Côrtes’, a ser reverenciada, os motivos se reforçam ainda mais. Pois é dele, o ícone João Carlos D’Avila Paixão Côrtes, e um grupo de amigos, ‘O grupo dos oito’, o legado da Chama Crioula que se comemora há 72 anos.

NA HISTÓRIA

O município de Venâncio Aires que também já fez história, com a geração e distribuição da Chama Crioula, em 2012, tem por meio do Centro de Tradição Gaúcha (CTG) Erva-Mate uma longa trajetória à pata de cavalo pelos caminhos do Rio Grande do Sul. E neste ano, ao chegar à 38ª Cavalgada em busca da centelha, um grupo composto por cerca de 13 cavaleiros segue a Tenente Portela, escrevendo mais uma página desta história.

HOMENAGEM

À frente da grupo, o coordenador de cavalgadas da entidade, Décio Ellert, acompanhado por Charles Ribeiro; do capataz campeiro da entidade Eduardo Stertz e Rodrigo Schuh, o Digão. Juntos eles carregam, além do compromisso de retornar à Capital do Chimarrão com uma centelha, a homenagem ao pai  de Digão, José Pedro Schuh, o Zé Schuh (in memoriam). O grupo parte de Venâncio Aires no dia 15 e retorna dia 29, depois de percorrer 400 quilômetros à pata de cavalo.

CAVALGADA DA INTEGRAÇÃO

Representante do CTG Chaleira Preta, Oli Franco; do CTG Lenço Branco, Luiz Carlos Kunzler e Ronaldo dos Santos Nunes, acompanhados de três gerações, os amigos Orlando dos Santos; Silvio Santos e a filha Ana Júia dos Santos; e, Renato Dameda do CTG Querência da Mata, de Mato Leitão, também seguem a Tenente Portela. O grupo sairá no dia 16, com previsão de chegada no dia 27 de agosto. Segundo Dameda, serão dez cavaleiros que vão percorrer cerca de 380 quilômetros com a centelha.

DA 24ª REGIÃO TRADICIONALISTA (24ª RT)

O coordenador de cavalgadas da Região Davi Musskopff e mais três cavaleiros, iniciam a cavalgada no dia 7, no lombo do cavalo, revivendo os antigos cargueiros. Ida e volta, os quatro devem percorrer 780 quilômetros, informa Musskopff. No retorno, juntam-se a eles mais 30 tradicionalistas da 24ª RT, com a chegada prevista para o dia 27 de agosto, à Região.

Em Tenente Portela, a coordenadora da 24ª RT, Luce Carmen da Rosa Mayer será a responsável por receber a centelha, a partir do candeeiro oficial, e compartilhas as fagulhas nos demais candeeiros de Venâncio Aires Região.

ESCOLA DO CHIMARRÃO

De acordo com o diretor do Instituto Escola do Chimarrão, Pedro Schwengber, a presença da Escola está confirmada no evento. Nos dias 16 e 17, a Escola estará no Parque da cidade, onde ocorre a distribuição das centelhas. No domingo dia 18, “faremos mateada na praça central, em comemoração ao aniversário do município de Tenente Portela”, confirma Pedrão.


SAIBA MAIS

  • Tema estadual dos festejos farroupilhas: ‘Vida e obra de Paixão Côrtes’
  • Patrono estadual: César Oliveira
  • Patrono dos festejos em Venâncio Aires: Luis Carlos Silva – o Tita
  • Fusão das centelhas na Capital do Chimarrão: 13 de setembro
  • Presença no evento: Escola do Chimarrão de Venâncio Aires

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome