Gafema: grupo se reencontra durante a 16ª Fenachim

Grupo de Artes Folclóricas (Gafema), composto por ex-integrantes do Centro de Tradição Gaúcha (Erva-Mate) realizou o primeiro encontro no sábado, 14 de maio, durante a 16ª Festa Nacional do Chimarrão. O evento integrou as programações da festa com ‘Sabor do Rio Grande’, e teve a participação do presidente da festa Vilmar de Oliveira, e os músicos venâncio-airenses, Marcos Oliveira, Saul Zart, Sergio Teixeira e Renan Reckziegel.

Sabor

Por falar em ‘sabor’, os participantes do reencontro, que contou com a presença do fundador do CTG Erva-Mate, professor Alécio Alves de Moraes e esposa, Donaide Moraes, e do declamador renomado e filho do grupo, Romeu Weber, que subiu ao palco para demonstrar a arte declamatória, todos tiveram oportunidade de saborear as boas lembranças, os desafios ao longo da caminhada, feitos e fatos e o auge do grupo na comunidade e pelo Rio Grande afora.

Façanhas registradas

O encontro foi idealizado pelo ex-integrante Luiz Henrique Müller, que atualmente mora em Canoas com a esposa, Andreia Pereira, e contou com uma comissão organizadora de Venâncio Aires, composta por Cleiva Giovanaz Heck, Yolanda Maria Agnes e Saul Zarth. ‘Resgatando nossas façanhas e nossa história’, foi a temática que marcou o encontro, com o objetivo de perpetuar esta parte da história do CTG Erva-Mate que completou 54 anos, no dia 13 de maio. História iniciada em 11 de maio de 1968, na Escola Professor José de Oliveira Castilhos, pelos professores, Alécio Alves de Moraes e Adeli Bellini (em memória), que se tornou a primeira patroa da entidade.

Uma das façanhas, que também entra para a história, foi o encontro de três presidentes de Fenachins, presentes ao evento que, de alguma maneira, se entrelaçaram à história do grupo: o atual presidente Vilmar de Oliveira; a primeira mulher a presidir uma Fenachim, Cleiva Heck, na edição anterior, e Alécio Alves de Moraes da 5ª edição.

De acordo com Müller, a história comemorada neste evento e deste grupo, durou dez anos “mais ou menos”. Ele destaca que tem cerca de 84 páginas escritas, desta trajetória, que até já foi cogitada em se transformar em livro.

“O livro não é pra mim. A minha ideia é registrar uma parte da história do CTG que estava sendo apagada. E aquele período que eu participei está registrada. Mas para que isso vire um livro é necessário que haja interesse do CTG e que outros escrevam as outras partes”. Müller acrescenta, que até o momento ninguém se mostrou interessado.

Parte desta caminhada foi apresentada durante o evento e ficou registrado por meio de um jornalzinho, distribuído aos participantes e para visitantes da Fenachim.

Expectativas

Quanto à expectativa da participação de público, no evento, Müller acredita que, infelizmente, o tempo não colaborou e, também, por funções profissionais de ex-integrantes e outros por problemas de saúde que não puderam comparecer. “Desde o início falei para o pessoal: não que importava quantas pessoas fossem ao evento, mas o importante é quem iria lá nos prestigiar e comemorar com a gente nossa história e nossas façanhas”, relata.

Agradecimentos

Em nome da equipe organizadora, Müller registra agradecimentos, à Comissão da Fenachim, na pessoa do presidente Vilmar de Oliveira, ao patrocinador do encontro, Agro Lago, que sem ele não seria possível a realização, as doações de brindes, aos ex-integrantes e àqueles que prestigiaram o evento.

Registro especial – Müller faz – para o Piquete Parceria Campeira, na pessoa do patrão, Fernando Vieira, extensivo aos demais integrantes, “por abrir as portas do galpão e preparar o almoço”, enfatiza, Müller, em nome dos organizadores.

Alguns momentos desta história

(recortes do jornalzinho editado pelos organizadores)

NOTA DA COLUNISTA

Durante o encontro entreguei para Yolanda Maria Agnes o ‘Diploma de Honra Mérito”, do evento Páginas e Memórias – eternas prendas venâncio-airenses, idealizado por esta colunista, na condição de Patrona dos Festejos Farroupilha/2021, de Venâncio Aires, que homenageou, no dia 12 de setembro de 2021, todas as representantes de Venâncio Aires, com títulos junto à 24ª Região Tradicionalista. Por razões de trabalho, nossa homenageada não conseguiu estar presente no dia

Yolanda foi a primeira prenda venâncio-airense a participar de um Ciranda Estadual de Prendas, representando o CTG Erva-Mate, em 1986. Várias vezes havíamos marcado, o recebimento, porém quis o destino que o momento fosse o mais significativo. Ao lado do eterno patrono e amigo, João Paulo Heck, entregamos também o mimo ofertado pela madrinha do evento, Jéssica Taís Herrera, 1ª Prenda do Rio Grande do Sul – 2018/19.

Agradeço ao convite para participar do evento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques