Desenvolvimento rural

Por muito tempo, as melhores oportunidades de trabalho estavam concentradas nas grandes cidades. Pois bem, chegou a hora da interiorização do desenvolvimento. Nos últimos anos, o setor agropecuário aqueceu a economia brasileira, além de amenizar os efeitos de inúmeras crises político-econômicas. Embora o número de produtores rurais tenha reduzido nas últimas décadas, o setor continua empregando um quarto da população brasileira, seja através de empregos diretos ou indiretos, como, por exemplo, agroindústrias, frigoríficos, entre outros.

O novo rural está conseguindo combinar o avanço tecnológico com geração de emprego e renda. Inúmeras oportunidades, com carteira assinada, sendo criadas pelo interior do país. Os preços agrícolas estão nas alturas, é verdade. E isso auxilia muito, também é verdade.
No entanto, a modernização do campo não é algo de agora. A partir da porteira das fazendas, surgem fortes cadeias produtivas que vem construindo um novo Brasil longe do litoral. Mas nem tudo são flores, temos muita coisa a melhorar.

Os problemas de infraestrutura são reais, com estradas esburacadas e ferrovias quase que inexistentes. Como levar a produção agrícola até os portos sem perder parte da produção? Muito difícil. Sem contar a dificuldade de armazenar grãos em plena safra, sem ficar à mercê de intermediários.

Trazendo um pouco a discussão para os Vales do Rio Taquari e Rio Pardo, onde a agricultura é, na sua grande maioria, de base familiar, temos um outro problema: a necessidade de diversificação da produção. Problema este que pode se tornar uma oportunidade, se bem aproveitado.

O meio rural de hoje não é o mesmo das gerações passadas. A inovação tecnológica do campo impôs certos desafios, como a necessidade de qualificação da mão de obra e busca por constante aprendizado. Além disso, a desigualdade no campo nunca foi tão grande. E sabe o que vem aumentando essa desigualdade? A internet. Ou melhor, a falta de internet: um a cada quatro brasileiros não tem acesso à internet. Um desafio que coloca os mais pobres e os moradores de áreas rurais em desvantagem. Nos dias de hoje, quem não tem acesso à internet está praticamente fora do mercado de trabalho.

Bom, e quais seriam as oportunidades para Venâncio e região? A diversificação da produção é importante, sem dúvidas. Aves e suínos vêm ganhando espaço. Nesse sentido, o Centro Vocacional Tecnológico (CVT) de proteína animal vem bem a calhar, sem falar da importância das cooperativas da região, como Languiru e Dália. Além disso, parcerias público-privadas com as Universidades da região serão interessantes para qualificar a mão de obra, além de atender as demandas da comunidade local. De modo geral, o agro não pode mais ser considerado uma “atividade primária”, como no passado. Há uma mudança de paradigmas que deve ser considerada, repleta de oportunidades.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques